Campanha de Lula entra com ação no TSE contra TV Record

Campanha do ex-presidente Lula (PT) afirma que emissora não respeitou regras eleitorais para organização de sabatinas. (Foto: Paulo Lopes/Anadolu Agency via Getty Images)
Campanha do ex-presidente Lula (PT) afirma que emissora não respeitou regras eleitorais para organização de sabatinas. (Foto: Paulo Lopes/Anadolu Agency via Getty Images)
  • Emissora decidiu que presidenciáveis serão entrevistados na ordem que aparecem nas pesquisas

  • Lei eleitoral afirma que deve haver sorteio

  • Campanha de Lula alega que método dá vantagens indevidas a candidatos

A campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) entrou com uma ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra a TV Record nesta terça-feira (6). A equipe questiona a decisão da emissora de não realizar sorteio para decidir a ordem das sabatinas dos candidatos à Presidência, que devem ocorrer entre os dias 23 e 28 de setembro.

De acordo com a campanha, o método é descrito na legislação eleitoral e tem como finalidade evitar favorecimento de candidaturas. A coligação partidária que apoia Lula pede que o TSE determine a realização do sorteio.

A Record TV havia decidido fazer a sabatina na ordem de colocação nas pesquisas. Dessa forma, Lula seria o primeiro entrevistado, seguido do presidente Jair Bolsonaro (PL) e Ciro Gomes (PDT).

A equipe do petista afirmou, em nota, que há uma desvantagem para o primeiro sabatinado, cuja entrevista iria ao ar em uma sexta-feira, dia de menor audiência. Já a sabatina seguinte seria na segunda-feira, dia com mais audiência no jornal. Além disso, o último entrevistado teria a vantagem de falar na televisão mais perto do dia da eleição.

“Em que pese louvável a iniciativa adotada pela emissora, a escolha da ordem de realização das entrevistas deve, obrigatoriamente, adotar critério que proporcione e preze pela igualdade de oportunidades entre os candidatos e a candidata”, diz um trecho da representação, assinada pelos advogados Cristiano Zanin Martins, Eugênio Aragão e Angelo Ferraro.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente: