Campanha eleitoral alemã esquenta com ataques e acusações

·1 minuto de leitura
Olaf Scholz em Berlim

BERLIM (Reuters) - O vice-chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, disse no domingo que a candidata a chanceler dos opositores Verdes, Annalena Baerbock, carece de experiência política, descrevendo-se como mais bem posicionado para comandar a maior economia da Europa após a eleição de 26 de setembro.

Os comentários de Scholz mostram como a campanha eleitoral alemã está esquentando cinco meses antes da votação, o que também se viu nos ataques constantes do candidato bávaro Markus Soeder ao seu rival conservador, Armin Laschet.

Na semana passada, os Verdes anunciaram que Baerbock concorrerá a chanceler, a primeira vez que o partido ecológico de inclinação de esquerda pleiteia o principal cargo do país em seus 40 anos de existência.

O apoio aos Verdes disparou no último ano, e agora a sigla está poucos pontos atrás dos conservadores da chanceler, Angela Merkel. Duas pesquisas recentes mostram os Verdes superando a aliança conservadora formada pela União Democrata-Cristã (CDU) e pela União Social-Cristã (CSU).

Scholz, que tem 62 anos e concorre com o Partido Social Democrata de centro-esquerda, parceiro minoritário da coalizão governista de Merkel, disse que a corrida está indefinida, apesar de seu partido aparecer em terceiro lugar nas pesquisas.

Baerbock, ex-campeã de trampolim de 40 anos, nunca ocupou um cargo no governo, mas prometeu aos eleitores um "recomeço" com foco no investimento em educação e tecnologias digitais e verdes.

Merkel, que deixa o posto depois de 16 anos, recusa-se a endossar publicamente Laschet, de 60 anos, que na semana passada venceu uma disputa com Soeder pela candidatura da aliança governista.

(Por Michael Nienaber)