Campanha eleitoral encerra em Itália

A direita italiana está de dedos cruzados à espera das eleições deste domingo, numa altura em que as sondagens continuam a dar como vencedora a aliança liderada por Giorgia Meloni.

Se as previsões se confirmarem, a líder do partido Irmãos de Itália, que escolheu Nápoles para encerrar a campanha, tornar-se-á na primeira chefe de governo oriunda da extrema-direita desde a segunda guerra mundial.

O partido de Meloni lidera uma coligação com a Liga, de Matteo Salvini, também da direita radical e o centro-direita representado pelo Força Itália de Silvio Berlusconi.

Enrico Letta, líder do centro-esquerda, tem a tarefa difícil de contrariar este favoritismo do bloco de direita... A esquerda italiana entra desunida nestas eleições, depois da saída do governo do Movimento Cinco Estrelas, o partido populista liderado por Luigi Di Maio, o que precipitou a queda do executivo liderado por Mario Draghi.

A nível europeu, estas eleições são vistas como um teste à força da direita mais radical, que este mês desalojou o centro-esquerda do poder na Suécia, através de uma aliança com a direita mais moderada.