Campanha de Lula pede ao TSE medidas contra violência política

*ARQUIVO* TABOAO DA SERRA, SP, 10.09.2022: PODER - POLÍTICA - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva faz comício ao lado de Geraldo Alckmin e Fernando Haddad em Taboão da Serra, São Paulo. Na foto, Lula discursa durante comício. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)
*ARQUIVO* TABOAO DA SERRA, SP, 10.09.2022: PODER - POLÍTICA - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva faz comício ao lado de Geraldo Alckmin e Fernando Haddad em Taboão da Serra, São Paulo. Na foto, Lula discursa durante comício. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A campanha de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) entrou com pedido no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para que tome providências sobre os recorrentes casos de intolerância e violência política na atual campanha.

Os partidos que sustentam a candidatura do ex-presidente pedem a criação de um canal direto no site do tribunal para que possam ser feitas denúncias sobre novos atos de agressão.

De acordo com a campanha, os episódios são parte de uma estratégia coordenada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) e seguida por seus apoiadores.

"A escalada de violência não é ao acaso, é fruto do modus operandi idealizado e aplicado por Bolsonaro através da construção do ideário de intolerância e polarização", diz a ação.

O documento, protocolado pelos escritórios Aragão e Ferrara e Zanin Martins, que atendem à campanha, lista uma série de exemplos de publicações coordenadas em redes sociais, com termos como "CPF Cancelado" e "menos um eleitor do Lula".

A ação diz ainda que a violência "constitui um verdadeiro ativo político do presidente e uma ameaça ao sistema eleitoral e consequentemente, à democracia".