Campeões de reprises: os atores e atrizes que mais voltaram à TV durante a pandemia

Pedro Willmersdorf
·5 minuto de leitura

Já se passou mais de um ano e a pandemia continua sendo uma trágica obra em aberto. Enquanto isso, a televisão brasileira continua se valendo da reprise de novelas para preencher a grade de programação e o coração do telespectador. Com o fim de “Amor de mãe”, hoje (12) estreia “Império”, trama assinada por Aguinaldo Silva, exibida originalmente pela Globo entre 2014 e 2015.

Desde março do ano passado, com a chegada da Covid-19 e a suspensão das filmagens em seus estúdios, a emissora carioca decidiu apostar no retorno de folhetins. A exceção ficou por conta de “Amor de mãe”, de Manuela Dias, e “Salve-se quem puder”, de Daniel Ortiz, que retomaram as gravações no segundo semestre e conseguiram encerrar seus trabalhos. A trama das nove teve escrito seu ponto final na sexta-feira, enquanto a novela das sete ainda está no ar com um resumo da fase pré-pandemia. Os novos episódios devem estrear em maio.

Agora, “Império” se junta a uma lista de reprises que já conta com “Fina estampa” (2011/12), também de Aguinaldo Silva, “A força do querer” (2017), de Gloria Perez, “Totalmente demais” (2015/ 16), de Rosane Svartman e Paulo Halm, “Haja coração” (2016), de Daniel Ortiz, “Novo mundo” (2017), de Thereza Falcão e Alessandro Marson, “Flor do Caribe” (2013), de Walther Negrão, “A vida da gente” (2011/12), de Lícia Manzo, “Malhação: Viva a diferença” (2017/18), de Cao Hamburger, e “Malhação: Sonhos” (2014/15), de Rosane Svartman e Paulo Halm.

Na esteira do retorno das novelas, o público também vem reencontrando personagens e seus intérpretes. Não tem sido incomum um mesmo ator ou atriz emendando uma reexibição em outra, ou até mesmo aparecendo na tela da TV várias vezes ao dia, em horários diferentes. Mas quem são os campeões de reprises?

Malu Galli, medalha de ouro

Eles existem e O GLOBO fez um levantamento até chegar a três nomes que vêm se destacando por sua extensa jornada de trabalho nesta viagem às memórias da teledramaturgia.

O primeiro deles é Malu Galli, que há poucos dias se despediu da milionária Lídia, de “Amor de mãe”, e a partir de amanhã vai se reencontrar com “Império”, em que interpretou a ambulante Eliane, que padece nas mãos de sua irmã, a vilã Cora (Drica Moraes).

A atriz também pode ser vista na reexibição da novela da seis, “A vida da gente”. Em 2020, ela esteve no ar durante as reprises de “Malhação: Viva a diferença” e “Totalmente demais”.

Mas para os que acham que Malu está satisfeita com a maratona de reprises, é interessante saber que ela adicionaria mais um trabalho de sua carreira na lista: “Queridos amigos” (2008), minissérie de Maria Adelaide Amaral.

– Foi um divisor de águas na minha trajetória, fiz amigos de verdade que me acompanham até hoje – diz Malu. – Além disso, a trama se passa num momento de pós-ditadura no país. Seria muito interessante isso ser mostrado hoje, quando esse fantasma nos assombra de novo.

'Mistura de alegria e tristeza', diz Lilia Cabral

Quem também se destaca no ranking de reprises é o ator português Paulo Rocha, que marcou presença, em 2020, nas reexibições de “Fina estampa”, “Novo mundo” e “Totalmente demais”. Hoje morando em solo lusitano, ele também poderá ser visto novamente em ação com a estreia de “Império”, em que viveu o vigarista Orville.

Lilia Cabral, que também retorna à TV na trama de Aguinaldo Silva, na pele da ambiciosa Maria Marta, já teve reprisadas durante a pandemia outras duas novelas: “Fina estampa”, em que deu vida à protagonista Griselda/Pereirão, e “A força do querer”, em que interpretou a arquiteta Silvana, viciada em jogos.

A atriz se diz empolgada com a volta de “Império”, vencedora do Emmy Internacional de melhor novela, em 2015. Ela acredita que a premiada história pode levar conforto ao telespectador tão machucado pela realidade da pandemia.

– Sinto uma mistura de alegria, por ver todos esses trabalhos novamente no ar, e muita tristeza, por ver a cada dia mais e mais pessoas morrendo e nos sentirmos impotentes diante de toda essa situação – desabafa Lilia. – Mas a televisão está cumprindo seu papel e, com essas novelas, levando entretenimento e alguma diversão ao público.

Aliás, por falar em Emmy Internacional, a atriz conta que gostaria de rever “Páginas da vida” (2006/07), de Manoel Carlos. Ela concorreu ao prêmio, na categoria de melhor atriz, graças a sua performance como a controversa Marta, uma avó que rejeitava a neta com Síndrome de Down.

– Era uma história em que os valores dos personagens eram declarados, muito reais. Acho que seria uma belíssima novela nesse momento, ainda mais com o texto do Maneco – diz Lilia.

A fartura na safra de Rafael Cardoso

E o que dizer de Rafael Cardoso? A partir de amanhã, o ator estará presente em nada menos que quatro reprises simultaneamente: “Império”, “A vida da gente”, “Salve-se quem puder” e “Ti ti ti”, que hoje ocupa a faixa do “Vale a pena ver de novo”.

Apaixonado pela natureza, o ator tem passado seus dias durante a pandemia em sua Fazenda Casulo, na Região Serrana do Rio. Por lá, vem cultivando produtos orgânicos e complementando sua renda, enquanto revisita seus trabalhos na TV.

Não à toa, ele escolhe uma metáfora agrícola para compartilhar sua sensação de vitória diante do título de campeão de reprises.

– Fico muito grato, pois acredito que o trabalho desenvolvido em muitos anos está gerando frutos. O plantio a gente escolhe, e a colheita é de acordo com ele. Se plantar, vai colher. Temos de cuidar do que plantamos – decreta Rafael.