Canadá e Dinamarca põem fim à "guerra do uísque"

O Canadá e a Dinamarca resolveram um diferendo de décadas sobre um pequeno ilhéu estéril e inóspito no Ártico.

Concordaram em dividi-lo e criar a primeira fronteira terrestre entre o Canadá e a Europa.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros canadiano e dinamarquês assinaram o acordo.

A disputa sobre Hans, de 1,3 quilómetros quadrados, situado entre Ellesmere e a Gronelândia, data de 1973, quando foi traçada uma fronteira marítima entre o Canadá e a Gronelândia, parte do reino dinamarquês.

Dinamarqueses e canadianos foram visitando de helicóptero o local nas últimas décadas para o reivindicar, deixando cada lado bandeiras, garrafas de uísque e mesmo algumas notas cómicas.

A divisão da ilha em forma de rim e a resolução do impasse benigno, com 49 anos, foi considerada como um modelo para a resolução pacífica de disputas territoriais - em contraste com a invasão russa da Ucrânia.

"O Ártico é um farol para a cooperação internacional, onde prevalece o Estado de direito", disse à AFP a Ministra dos Negócios Estrangeiros canadiana, Mélanie Joly.

"Como a segurança global está a ser ameaçada, é mais importante do que nunca que democracias como o Canadá e a Dinamarca trabalhem em conjunto, ao lado dos povos indígenas, para resolver as nossas diferenças de acordo com o direito internacional", acrescentou.

O chefe da diplomacia dinamarquesa, Jeppe Kofod, disse, por seu turno, "Vemos violações grosseiras das regras internacionais desdobrarem-se noutra parte do mundo" (...) "Em contraste, temos demonstrado como as disputas de longa data podem ser resolvidas pacificamente jogando segundo as regras", acrescentando esperar que a experiência do Canadá e da Dinamarca "inspire outros países a seguir o mesmo caminho".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos