Canadá presta homenagem à família morta em atentado com caminhonete

·2 minuto de leitura
Caixões de quatro membros da família Afzaal são carregados durante seu funeral no Centro Islâmico do Sudoeste de Ontário em 12 de junho de 2021

Várias centenas de pessoas se reuniram em Ontário, no Canadá, neste sábado (12) para homenagear uma família muçulmana deliberadamente atropelada pelo motorista de uma caminhonete, em um ataque que chocou os canadenses e que o primeiro-ministro Justin Trudeau classificou como "terrorista".

Quatro membros da família Afzaal - um homem e sua esposa, sua filha adolescente e sua mãe - estavam passeando em seu bairro na cidade de London no domingo, quando um homem de 20 anos em uma caminhonete preta os atropelou de propósito, de acordo com as autoridades.

Um quinto membro da família, um menino de nove anos, ficou gravemente ferido.

No sábado, centenas de pessoas lotaram um grande estacionamento e um campo de futebol próximo ao centro islâmico de London, onde foi realizada uma cerimônia privada, um tributo público em torno dos quatro caixões da família, cada um coberto com uma bandeira canadense.

"O próprio fato de seus caixões estarem envoltos na bela bandeira canadense é um testemunho do fato de que toda a nação canadense está com eles", disse o embaixador do Paquistão no Canadá, Raza Bashir Tarar, à multidão.

A cerimônia pública, com breves declarações e orações, foi transmitida ao vivo pelas principais redes de televisão canadenses.

O cortejo fúnebre seguiu para um cemitério - enquanto as pessoas marcavam o caminho em uma demonstração de solidariedade - para o enterro privado de Salman Afzaal, 46, sua esposa Madiha, 44, sua filha Yumna, 15, e a mãe de Salman, Talat, 74.

Muitas pessoas usavam fitas verdes, em apoio à comunidade muçulmana, ou violetas, a cor favorita de Yumna.

O ataque abalou profundamente a comunidade muçulmana e outros canadenses. Inúmeras vigílias e solenidades ocorreram em todo o país nos últimos dias.

O episódio alimentou o debate sobre a prevalência da islamofobia no Canadá e, dentro da comunidade muçulmana, aumentou o temor de que sinais externos de afiliação religiosa possam tornar uma pessoa um alvo.

Em uma entrevista à rede CBC, o primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, disse que o atentado chocou seu país. Ele exortou a comunidade internacional a agir contra "sites de ódio que criam ódio entre os seres humanos".

Nathaniel Veltman, de 20 anos, que não tem ficha criminal e nenhuma ligação conhecida com qualquer grupo extremista, foi acusado pelo ataque com quatro acusações de homicídio em primeiro grau e uma de tentativa de homicídio.

A polícia, que afirma que o ataque foi planejado e motivado pelo ódio, não descartou a inclusão de acusações relacionadas ao terrorismo.

Trudeau prometeu intensificar a luta contra grupos extremistas.

Deputados canadenses adotaram uma resolução não vinculativa, apresentada pelo Novo Partido Democrático (esquerda), convocando uma cúpula nacional sobre a islamofobia neste verão, conforme foi reivindicado por muitas organizações muçulmanas.

ps/bbk/acb/ic

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos