Cancelada eutanásia de colombiana apoiada por filho em decisão de morrer

·2 minuto de leitura
Martha Sepúlveda durante aniversário
Martha Sepúlveda comemorou 51 anos de vida em janeiro

A eutanásia da colombiana Martha Sepúlveda, originalmente marcada para domingo (10/11) às 7h, foi cancelada, segundo o Instituto Colombiano de Dor (Incodol), centro clínico onde o procedimento seria realizado.

A mulher seria a primeira pessoa a receber o procedimento na Colômbia sem ter uma doença terminal.

Segundo o comunicado, a Comissão Científica Interdisciplinar pelo Direito de Morrer com Dignidade "decidiu por unanimidade pelo cancelamento do procedimento", ao determinar que "o critério de terminalidade não foi cumprido como tinha sido considerado pela primeira comissão" que avaliou o caso.

Lucas Correa, advogado de Sepúlveda, qualificou de "ilegítima, ilegal e arbitrária" a decisão de cancelar a eutanásia. E acusou os responsáveis ​​por violar o direito da paciente de morrer dignamente. "Eles estão a forçando a viver uma vida que ela não deseja continuar vivendo, com sofrimento e uma dor que ela considera incompatíveis com sua ideia de dignidade", disse ela.

Na Colômbia, a eutanásia foi descriminalizada em 1997, mas só se tornou lei em 2015. Desde então, 157 procedimentos foram realizados.

Em julho de 2021, o Tribunal Constitucional do país estendeu o direito a uma morte digna para aqueles que sofrem de "intenso sofrimento físico ou mental" devido a uma lesão ou doença incurável. E o caso de Martha Sepúlveda havia se tornado o primeiro em que a eutanásia é autorizada em um paciente sem uma doença terminal.

Desde que foi diagnosticada com esclerose lateral amiotrófica (ELA), uma doença grave e incurável, a família dela disse que a vida de Sepúlveda, de 51 anos, havia se transformado em um tormento. A notícia de que ela poderia acabar com isso foi um alívio, disse o filho dela Federico à BBC News Mundo. Leia a entrevista completa.

Recentemente, a Conferência Episcopal Colombiana pediu que ele reconsiderasse a decisão.

"Esperançosamente (a reflexão é dada), se as circunstâncias o permitirem, longe do assédio dos meios de comunicação que não hesitaram em tornar a sua dor e a de sua família, para fazer uma espécie de propaganda da eutanásia", disse Dom Francisco Antonio Ceballos Escobar, presidente da Comissão Episcopal para a Promoção e Defesa da Vida.

Martha Sepúlveda
Martha Sepúlveda

Em sua última entrevista à Caracol TV, Sepúlveda disse: "Sou católica e me considero uma pessoa muito crente. Mas Deus não quer me ver sofrer".

"Com a esclerose lateral no estado em que está, a melhor coisa que pode me acontecer é que eu descanse."

Depois de ouvir a notícia do cancelamento, o deputado do Partido Liberal, Juan Fernando Reyes, declarou: "O direito de morrer com dignidade é um direito de todos, o Estado não deve interferir nessa decisão de ninguém. Se quisermos que respeitem nossas crenças e decisões íntimas, comecemos respeitando as dos outros ".

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos