Candidata a vereadora em Niterói registra denúncia após receber ameaça de morte

Alma Preta
·3 minuto de leitura
Benny Briolly foi atacada em rede social por membros de grupo que se dizia “apartidário”; uma das mensagens mencionava um dos acusados de matar a ex-vereadora Marielle Franco. Foto: Acervo Pessoal
Benny Briolly foi atacada em rede social por membros de grupo que se dizia “apartidário”; uma das mensagens mencionava um dos acusados de matar a ex-vereadora Marielle Franco. Foto: Acervo Pessoal

Texto: Juca Guimarães Edição: Nataly Simões

Após a publicação de um vídeo de sua campanha para vereadora em Niterói, no Rio de Janeiro, a candidata Benny Briolly (PSOL) sofreu uma série de ataques racistas e LGBTfóbicos, incluindo uma ameaça de morte.

Os ataques partiram de membros do grupo “Niterói quer ter Prefeito!” no Facebok, com 17 mil membros, e começaram quando Benny publicou o vídeo da deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ) apoiando a campanha dela. Benny foi assessora de Talíria nos mandatos de vereadora e deputada.

“Não podemos tolerar aqueles que não sabem disputar uma eleição de forma democrática, sem ódio e ameaças. A violência política só se aprofunda no Brasil e é reflexo de um governo autoritário que incita o ódio à diversidade. Benny é uma mulher preta, travesti e de favela e não vamos dar nenhum passo atrás!”, escreveu Talíria em suas redes sociais, após os ataques contra Benny. A parlamentar relatou recentemente também ter sido alvo de ameaças.

Na quarta (21), a candidata foi até a 76ª delegacia de polícia, em Niterói, e registrou um boletim de ocorrência. Uma das mensagens do ataque dizia: “Ronnie Lessa já está de olhos em vocês. Cuidado com a metralhadora de excluir maconheiros.”

Ronnie Lessa é o ex-sargento reformado da PM preso acusado de matar a ex-vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes, em março de 2018.

O caso foi registrado como crimes de ameaça de morte e LGBTfobia. “Fizemos uma apuração para ver de quem eram as ameaças. A delegada disse que vai chamar as pessoas para depor. São ameaças graves. Tivemos que tomar medidas de segurança”, conta a candidata, em entrevista ao Alma Preta.

Outras mensagens faziam chacota pelo fato de Benny ser negra e travesti. As mensagens contra a candidata continuaram em outras postagens. Após a denúncia, membros do grupo passaram a afirmar que a reação da candidata era “vitimismo” e “mimimi”.

A página “Niterói quer ter Prefeito!” diz em sua descrição que é “apartidária”, tem cinco perfis de usuários como administradores e um deles é Vinícius Moço, funcionário da Câmara Municipal de Niterói. Ele faz campanha para o vereador e agente da Polícia Federal, Sandro Araújo, que disputa a reeleição pelo PPS.

De acordo com a candidata, as ameaças partiram de perfis fakes e também de pessoas ligadas a outras candidaturas. “São desse grupo, assessores da Câmara, pessoas da campanha do PSL. São pessoas que se encorajaram a fazer essas ameaças”, relata.

O Alma Preta procurou Moço, administrador do grupo “Niterói quer ter Prefeito”, para saber o posicionamento dele sobre as ameaças contra a candidata do PSOL. Moço informou que ele e os demais administradores do grupo chegaram ao consenso de que vão excluir e bloquear o membro do grupo que atacou a candidata e que será emitida uma nota sobre o caso.

A direção do PSL no Rio de Janeiro, por sua vez, não respondeu aos questionamentos da reportagem sobre a série de ameaças que os apoiadores da legenda fizeram à candidata Benny.

Texto atualizado às 16h10 de 22 de outubro de 2020 para inclusão da resposta enviada por Vinícius Moço.