Candidata a premiê britânica Truss diz que está determinada a entregar lei sobre Irlanda do Norte

Candidata a premiê britânica Liz Truss em Belfast

BELFAST (Reuters) - Liz Truss, ministra das Relações Exteriores do Reino Unido e favorita para se tornar primeira-ministra no próximo mês, disse nesta quarta-feira que está determinada a entregar o projeto de lei do Protocolo da Irlanda do Norte na íntegra, mesmo que enfrente oposição desgastante no Parlamento.

O projeto de lei toma medidas unilaterais, efetivamente rasgando partes do acordo do Brexit, para resolver um impasse com a União Europeia (UE) sobre como lidar com as questões alfandegárias de mercadorias que viajam entre o Reino Unido e a Irlanda do Norte.

Truss reconheceu que o projeto de lei, que enfrenta fortes críticas de políticos do Reino Unido e da UE, levará tempo para passar pela câmara alta do Parlamento, onde o governo não tem maioria.

Com as pesquisas colocando-a muito à frente do rival Rishi Sunak, Truss deve ser nomeada primeira-ministra em 5 de setembro. Mas parece improvável que isso produza uma mudança significativa em relação ao atual líder Boris Johnson quando se trata de relações com a UE.

Truss acusou na terça-feira o bloco de uma clara violação do acordo do Brexit, iniciando procedimentos de resolução de disputas para tentar obter acesso aos programas de pesquisa científica do bloco.

Questionada sobre qual garantia ela pode oferecer de que, se eleita primeira-ministra, não se curvará aos que se opõem à legislação planejada na UE ou nos Estados Unidos, Truss disse:

"Assumi a responsabilidade de negociar o protocolo da Irlanda do Norte, e contra muitos conselhos em Whitehall e contra a vontade de algumas das pessoas que você mencionou - e fui muito clara com pessoas como (presidente da Câmara dos EUA) Nancy Pelosi exatamente o que eu penso sobre isso e exatamente o que precisamos fazer - eu continuei entregando isso."

Rishi Sunak, o candidato atrás nas pesquisas e ex-ministro das Finanças, disse que não há muita discordância entre ele e Truss sobre a necessidade de aprovar a legislação, mas que, se eleito, ele "com certeza" verá se um resultado negociado pode ser alcançado com a UE.

(Reportagem de Amanda Ferguson em Belfast, William James e Farouq Suleiman em Londres)