Candidato de Bolsonaro, Rodrigo Pacheco afirma que não haverá influência externa no Senado

RENATO MACHADO E THIAGO RESENDE
·1 minuto de leitura
BRASÍLIA, DF,  01.02.2021 - RODRIGO-PACHECO - o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Sessão plenária do Senado Federal para eleição do Presidente do Senado para o próximo biênio. O presidente do senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), preside a sessão. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
BRASÍLIA, DF, 01.02.2021 - RODRIGO-PACHECO - o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Sessão plenária do Senado Federal para eleição do Presidente do Senado para o próximo biênio. O presidente do senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), preside a sessão. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Candidato à presidência do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) afirmou nesta segunda-feira (1º) que sua gestão vai ser marcada pela independência da Casa, em relação aos outros Poderes, e que não haverá "nenhum tipo de influência externa" no Senado.

Pacheco é o candidato apadrinhado pelo atual presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

"Não haverá nenhum tipo de influência externa capaz de influenciar a vontade livre e autônoma dos senadores. A busca do consenso haverá de ser uma tônica, mas temos instrumentos fortes da democracia para extrair uma conclusão", afirmou Pacheco.

No discurso, ele também prometeu que a pauta de votações do Senado será debatida com os líderes da Casa e buscar a "pacificação" entre os senadores e com os demais poderes.

Pacheco disse que, se eleito, iniciará uma negociação com o Ministério da Economia para conciliar a ampliação da assistência social com o teto de gastos -regra que impede o crescimento das despesas públicas acima da inflação. A equipe econômica quer evitar uma prorrogação do auxílio emergencial que tenha grande impacto nas contas públicas.