Candidato apoiado por Flávio Bolsonaro para chefiar MP-RJ fez campanha para o próprio senador, Bolsonaro e Witzel

·2 minuto de leitura
Candidato apoiado por Flávio Bolsonaro para chefiar MP-RJ fez campanha eleitoral para o próprio senador, Bolsonaro e Witzel - Foto: Reprodução
Candidato apoiado por Flávio Bolsonaro para chefiar MP-RJ fez campanha eleitoral para o próprio senador, Bolsonaro e Witzel - Foto: Reprodução

Marcelo Rocha Monteiro, procurador do Ministério Público do Rio de Janeiro, é o nome apoiado por Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) para ser o próximo procurador-geral de Justiça do estado, portanto, responsável para comandar o andamento do processo contra o senador e filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), acusado pelo MP de ser líder de uma organização criminosa.

O mais curioso é que Monteiro deixa claro quais são suas preferências políticas. Desde 2016, o procurador posa ao lado de Flávio Bolsonaro em campanhas eleitorais que o atual senador participou. Em 2018, Monteiro também apoiou abertamente a candidatura de Bolsonaro ao planalto e de Witzel ao governo do Rio de Janeiro, tudo por recomendação de Flávio.

Leia também

"Flávio Bolsonaro recomenda: Wilson Witzel para governador", disse Monteiro, em uma rede social, em 26 de outubro daquele ano como mostra a coluna do jornalista Guilherme Amado, da Época.

Candidato apoiado por Flávio Bolsonaro para chefiar MP-RJ fez campanha eleitoral para o próprio senador, Bolsonaro e Witzel - Foto: Reprodução
Candidato apoiado por Flávio Bolsonaro para chefiar MP-RJ fez campanha eleitoral para o próprio senador, Bolsonaro e Witzel - Foto: Reprodução

A escolha do novo chefe do Ministério Público será realizada por Cláudio Castro, vice de Witzel que atualmente é o governador em exercício no Rio de Janeiro.

De acordo com o que manda a Constituição fluminense, Castro terá três nomes a disposição e terá de tomar sua decisão.

Castro assumiu o cargo interinamente e desde então tem buscado aproximação com a família Bolsonaro. Questionado pela coluna de Guilherme Amado, o governador em exercício afirmou que apenas debaterá o assunto em janeiro do ano que vem.

Monteiro concorrerá com os procuradores Ertulei Matos e Leila Costa, e os promotores Virgílio Stavridis e Luciano Mattos.

Procurado pela Época, Marcelo Monteiro ressaltou que entrou no MP antes da Constituição de 1988 e que, portanto, não tem impedimento para se filiar a partidos políticos ou para emitir opiniões políticas em redes sociais fora do exercício funcional.