Candidatos às eleições regionais são registrados na Bolívia, com rupturas e dissensos

·2 minuto de leitura
(Arquivo) A ex-presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez

Partidos e grupos de cidadãos bolivianos registraram nos órgãos eleitorais regionais seus candidatos para a eleição de prefeitos e governadores, no dia 7 de março, em meio a rupturas e dissensões. A informação foi confirmada nesta terça-feira(29).

A ex-presidente de transição da direita, Jeanine Áñez, foi inscrita como candidata a governadora pelo departamento amazônico de Beni (nordeste), sua terra natal, horas depois de anunciar seu rompimento com o partido democrata que a apoiava em seu governo.

A ex-presidente tornou pública sua renúncia, criticando os líderes locais dos democratas. Ele disse que "você tem que tirar o poder dos velhos políticos e você tem que trabalhar pensando em Beni e benianos", enquanto um grupo local a inscrevia em suas listas.

A ex-presidente do Senado, Eva Copa (2019-2020), rompeu com seu partido, o governante Movimento ao Socialismo (MAS), para buscar a prefeitura da cidade de El Alto, vizinha de La Paz, e um reduto do ex-presidente Evo Morales.

MAS e Morales se mostraram inclinados a nomear outro dirigente, Zacarías Maquera, como candidato para o município, o que ocasionou a retirada de Copa, que anteriormente ocupava o cargo.

Em meio às lágrimas, ela disse à noite que estava "decepcionada com alguns grupos que não permitem a renovação e o surgimento de novas lideranças". Outro partido local a abrigou com sua sigla.

O ex-presidente Morales fez eco ao caso e destacou que “nesta época sabemos quem somos, quais irmãos têm convicção e quais irmãos ocupam apenas um cargo”, segundo o jornal Página Siete.

Após o cadastramento dos candidatos ao município da cidade de La Paz, houve o rompimento de uma aliança entre os partidos do ex-candidato Carlos Mesa (Comunidade Cidadã), o abastado empresário Samuel Doria Medina (Unidade Nacional) e o ex-prefeito Luis Revilla (Sol.bo).

O Sol.bo, sem dar detalhes, reclamou da "deslealdade" de seus aliados, segundo seu dirigente José Luis Bedregal.

Em 7 de março de 2021, mais de 7 milhões de bolivianos irão às urnas para eleger nove governadores, 339 prefeitos e seus respectivos membros da assembleia departamental e vereadores.

jac/gm/ap