Candidatos apostam em eleitorado específico para chegar ao segundo turno no Rio

Paulo Cappelli
·2 minuto de leitura
Agência O Globo
Agência O Globo

RIO - Às vésperas da eleição, o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos), a deputada estadual Martha Rocha (PDT) e a federal Benedita da Silva (PT) tentam aumentar sua votação em segmentos específicos do eleitorado para chegar ao segundo turno. Os três estão empatados tecnicamente em segundo lugar de acordo com a última pesquisa Datafolha, que aponta Eduardo Paes (DEM) na liderança, seguido respectivamente por Crivella, Martha Rocha e Benedita, que têm diferença de menos de seis pontos percentuais entre si.

Para tentar se descolar das adversárias, Crivella aposta suas fichas no eleitorado evangélico, segmento que já lhe é simpático e no qual avalia que ainda pode crescer. Nos últimos dois dias, o prefeito disparou no WhatsApp cinco vídeos de pastores e líderes de igrejas evangélicas que pregam o voto pela reeleição. Os vídeos mostram missionário R. R. Soares (Igreja Internacional da Graça de Deus), Robson Rodovalho (Sara Nossa Terra), apóstolo César Augusto (Fonte da Vida), pastor Josel Suhett (Luz do Mundo) e Ezequiel Teixeira (Vida Nova) pedindo votos para Crivella.

Martha Rocha, por sua vez, tenta concentrar o eleitorado da esquerda, afirmando que sua candidatura pode tirar Crivella do segundo turno. A estratégia de buscar o voto últil tem o objetivo de angariar apoio dos simpatizantes de Benedita da Silva, Renata Souza (PT) e Bandeira de Mello (Rede). E explora, ainda, a alta rejeição de Crivella demonstrada nas últimas pesquisas de intenção de voto.

Já Benedita da Silva atua para ampliar seu apoio entre moradores de favelas. A percepção da campanha da petista é que, quanto menor a abstenção de moradores de comunidades carentes, maior será a votação de Benedita. Por isso, ela manteve, nos últimos dias, a estratégia de continuar fazendo campanha em favelas e dedicou seu último programa no horário eleitoral para dizer que suas políticas públicas serão voltadas para os mais pobres. "Se a favela votar em peso, tem chance de a Benedita ir para o segundo turno", afirma um dirigente do partido.