José Graziano da Silva é o novo diretor geral da FAO

Novo diretor geral da FAO, José Graziano da Silva
O brasileiro, ex-coordenador do "Fome Zero", era um dos grandes favoritos para suceder o senegalês Jacques Diouf, que ocupava o posto de diretor-geral da FAO há 17 anos.

Pela primeira vez desde que foi fundada em 1945, a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), será presidida por um latino-americano, o brasileiro José Graziano da Silva, que terá o desafio de erradicar ou pelo menos reduzir a fome no mundo. O brasileiro, que obteve 92 votos contra 88 do ex-chanceler espanhol Miguel Angel Moratinos, recebeu o apoio da América Latina e dos chamados "países não-alinhados" do G-77, entre eles, boa parte da África e Indonésia. "Não sou mais o candidato do Brasil, sou o diretor-geral de todos os países", declarou José Graziano em espanhol, visivelmente emocionado após a divulgação do resultado. O brasileiro foi um dos principais técnicos do primeiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e depois foi assessor especial da Presidência da República, "Com o passar dos anos aprendi que é preciso caminharmos juntos, obter o consenso, para conquistar os objetivos", acrescentou José Graziano depois de agradecer aos países latino-americanos, africanos, de língua portuguesa e, inclusive, aos países europeus e desenvolvidos. "Foi um exercício democrático e soberano", disse. O brasileiro, ex-coordenador do "Fome Zero", era um dos grandes favoritos para suceder o senegalês Jacques Diouf, que ocupava o posto de diretor-geral da FAO há 17 anos. Nascido em 17 novembro de 1949, José Graziano ocupa o posto de representante regional e vice-diretor da FAO desde março de 2006. Durante sua permanência na FAO o brasileiro conseguiu que os países de América Latina e Caribe fossem os primeiros em nível mundial a assumir o compromisso de erradicar a fome antes de 2025. Na apresentação de seu programa, Graziano admitiu que "houve um longo período de negligência com a agricultura, a pesca, as florestas e em desenvolvimento rural e segurança alimentar" no mundo. "A recente crise econômica global e a crise de alimentos é um alerta para que acordemos. Lembra-nos que estamos interconectados, e isso é mais evidente na alimentação e na agricultura", disse na véspera ao apresentar seu programa. Graziano é doutor em Economia pela Unicamp e foi professor titular de Economia Agrícola da mesma universidade. Cursou pós-graduação na Universidade da Califórnia e no Instituto de Estudos Latino-Americanos da University College de Londres. No total seis candidatos participaram do primeiro turno, após o qual quatro desistiram: Franz Fischler (Áustria), Indroyono Soesilo (Indonésia), Mohammad Saeid Noori Naeini (Irã), Abdul Latif Rashid (Iraque). "Precisamos de uma FAO forte e efetiva", disse durante a campanha Graziano, assegurando que durante os 42 meses de sua eventual gestão concluiria a reforma da organização, que ele conhece como poucos por ter sido diretor regional. "Estou convencido, com base em minha experiência no Brasil e em outros países, que erradicar a fome é uma meta razoável e alcançável", afirmou Graziano, recebendo muitos aplausos. A eleição do novo diretor-geral --que assumirá o cargo em 1º de janeiro de 2012 e permanecerá até julho de 2015--, foi realizada durante a 37ª Sessão da Conferência da FAO, que será concluída no dia 2 de julho.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos