Candidatos a deputado do PT travam disputa por recursos para campanha

·2 min de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 21.04.2022 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 21.04.2022 - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Candidatos a deputado federal pelo PT travam internamente uma disputa pelo quinhão do fundo eleitoral a que terão direito na eleição.

O caixa do partido terá R$ 486 milhões deste recurso, que é dinheiro público, para gastar em todas as campanhas.

No caso dos deputados federais, deve haver dois critérios. Os atuais detentores de mandato que buscarem a reeleição devem ter direito a uma cota maior. A expectativa é que o valor fique entre R$ 1,5 milhão e R$ 2 milhões para suas campanhas. Já os novatos receberiam menos do que isso.

Deve haver também uma exceção para petistas sem mandato, mas com grande potencial de votos para a Câmara, como ex-prefeitos, governadores e senadores, que receberiam a cota maior.

Internamente, esse critério vem sendo apelidada por alguns de "regra Suplicy", em referência ao atual vereador paulistano e ex-senador, que deve ser um dos puxadores de voto do PT para deputado federal em São Paulo.

Secretária de Finanças da legenda, Gleide Andrade diz que os números mencionados são por ora apenas especulação, e que a decisão sobre a partilha do bolo será do diretório nacional, em reunião no final de maio.

Ela confirma, no entanto, que atuais deputados receberão tratamento diferenciado. "A prioridade zero da campanha é eleger o Lula. A seguinte é manter e ampliar nossa bancada federal. O fundo segue essa orientação", afirma.

Segundo ela, há um entendimento de que os atuais deputados são os responsáveis pelo atual tamanho do fundo eleitoral, o segundo maior entre os partidos, atrás apenas do destinado à União Brasil.

"Temos o entendimento que esse fundo que recebemos é decorrência direta do tamanho da nossa bancada. Isso será levado em conta como critério de distribuição", diz.

Entre candidatos, há reclamações também sobre um possível conflito de interesses envolvendo a própria secretária, que pretende disputar mandato de deputada federal por Minas Gerais.

Reservadamente, há um receio de que ela privilegie a si própria e aliados na partilha do fundo. Andrade diz que a preocupação não se justifica.

"Serei candidata, mas seguirei o critério estabelecido para todos. Não receberei R$ 1 a mais pela minha condição no partido. Minha prestação de contas poderá ser acompanhada pelo portal do TSE", afirma.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos