Candidatos que negam resultado da última eleição presidencial dos EUA poderão dirigir eleição de 2024

Fila para votar em Phoenix, Arizona

Por Michelle Nichols

NOVA YORK (Reuters) - Nesta terça-feira, norte-americanos nos principais campos de batalha eleitorais decidem quem irá dirigir a eleição presidencial de 2024 em seus Estados, escolhendo entre uma lista de candidatos que inclui republicanos que apoiam a falsa afirmação do ex-presidente Donald Trump de que ele venceu a disputa em 2020.

Em 30 dos 50 Estados do país, os chamados "negacionistas das eleições" são candidatos a pelo menos um dos cargos estaduais que supervisionam as eleições --governador, secretário de Estado ou procurador-geral--, de acordo com o grupo sem fins lucrativos States United Action.

“O risco é que um negacionista da eleição servindo como funcionário do Estado possa tentar manipular os resultados em 2024 para que seu candidato preferido vença – mesmo que não receba a maioria dos votos”, disse a diretora da States United Action, Joanna Lydgate.

De acordo com a States United Action, os que negam as eleições estão concorrendo a secretário de Estado em 13 Estados, inclusive nos Estados-chave do Arizona, Michigan e Nevada . O presidente democrata Joe Biden venceu por uma margem estreita nos três Estados em 2020.

"Os secretários de Estado têm um grande papel a desempenhar na supervisão da administração da eleição e na garantia de que os resultados reflitam com precisão a vontade dos eleitores", disse Lydgate.

Grupos de direitos ao voto e constitucionalistas se preocupam com o potencial de um secretário de Estado contestar ou ignorar o total de votos populares, recusar-se a certificar o resultado de uma eleição presidencial ou até mesmo afirmar que o candidato perdedor realmente ganhou em seu Estado.

No Arizona, o candidato republicano a secretário de Estado, Mark Finchem, disse que não teria certificado a vitória de Biden em 2020 no Estado. Ele apoiou uma auditoria dos resultados das eleições no Arizona e apoiou um projeto de lei que daria à legislatura controlada pelos republicanos o poder de anular os resultados das eleições.

A candidata republicana a secretária de Estado em Michigan, Kristina Karamo, era uma figura política pouco conhecida, mas ganhou destaque quando afirmou em 2020 que havia testemunhado fraude no conselho de contagem de ausentes de Detroit como observadora de pesquisas. Nenhuma evidência surgiu para sustentar essas alegações.

Em Nevada, o secretário de Estado não tem o poder de certificar os resultados, mas pode definir e fazer cumprir as regras eleitorais. O candidato republicano e ex-deputado estadual Jim Marchant se opôs à certificação da vitória de Biden no Estado em 2020.

Trump afirma falsamente que Biden venceu a eleição presidencial por meio de fraude generalizada. A afirmação foi rejeitada por várias decisões judiciais, pelo próprio Departamento de Justiça do ex-presidente e até por investigações lideradas por republicanos em nível estadual.

(Reportagem de Michelle Nichols, reportagem adicional de Tim Reid)