Candidatura de Ilan Goldfajn à presidência do BID volta a ganhar força às vésperas das eleições

A candidatura de Ilan Goldfajn — ex-presidente do Banco Central (BC) e atual diretor licenciado do Departamento do Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional (FMI) — à presidência do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) voltou a ganhar força às vésperas das eleições, que ocorrerão no domingo. Os sinais da equipe do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de que não vão se opor ao seu nome fortaleceram a candidatura.

Ilan Goldfajn: 'O Brasil pode resgatar seu papel de liderança', diz candidato a presidente do BID

BID: Entenda por que ação de Mantega deixou Brasil mais longe da presidência do banco

Ilan foi indicado para o cargo pelo atual governo, do presidente Jair Bolsonaro. As eleições para o BID ocorrem no próximo domingo. Ele concorre com outros quatro candidatos.

O novo posicionamento da equipe de transição gerou boa vontade dos demais países membros, que na semana passada receberam uma mensagem do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega para tentar adiar a eleição, para que ela ocorresse já quando Lula estivesse no Planalto. O pedido foi negado pelo BID.

Depois desse episódio, Mantega deixou a equipe de transição. Antes disso, Celso Amorim, ex-chanceler que comanda a área de relações internacionais da equipe de Lula, deu entrevista afirmando que o presidente eleito “não se opõe” ao nome de Ilan.

Após a tentativa de Mantega de adiar as eleições, ganharam força os candidatos do Chile, Nicolás Eyzaguirre, ex-ministro da Fazenda dos governos de Ricardo Lagos e Michelle Bachelet; e do México, Gerardo Esquivel Hernández, vice-presidente do Banxico, o BC mexicano. Entretanto, o novo posicionamento da equipe de Lula voltou a dar força para a candidatura de Ilan.

A Argentina também nomeou Cecilia Todesca Bocco como candidata, assim com o Trinidad e Tobago colocou o nome de Gerard Johnson.

Bomba fiscal: PEC da Transição pode gerar déficit até o fim do governo de Lula e turbinar dívida pública

A eleição, no domingo, deve ter dois turnos, devido às regras do banco. Para vencer, o candidato precisa ter obter três quesitos: mais de 50% do poder de votos; 15 dos 28 votos de países da região; e 25 dos 48 votos totais. O BID tem 48 países membros, inclusive nações doadoras, como europeus e asiáticos.

Quando se considera o critério 50% do poder dos votos, a peso de cada país é o seguinte: os EUA têm 30% do poder de voto, seguido por Brasil e Argentina (10,75% cada um), México (6,91%), Venezuela (5,76%), Canadá (4%), Chile e Colômbia (2, 95% cada um).

Mas, mesmo considerando o peso de EUA, Brasil e Argentina, como é preciso cumprir os demais requisitos e as nações caribenhas votam em bloco, é quase impossível conquistar 15 dos 28 votos no primeiro turno das eleições, por mais que o candidato tenha apoio dos grandes países.

Minha Casa Minha Vida: Equipe de Lula estuda aluguel social e imóvel temporário, sem título de propriedade

O Brasil nunca comandou a entidade, que tem mais de 60 anos. No ano passado, o BID desembolsou US$ 23,4 bilhões em financiamentos, um recorde em sua história. O BID já foi chefiado por um chileno, um mexicano, um uruguaio, um colombiano e, mais recentemente, um americano - Mauricio Claver-Carone, indicado no governo Donald Trump e que deixou a instituição em setembro por recomendação da diretoria executiva do banco após denúncias de relacionamento inapropriado com sua chefe de gabinete.

Nascido em Israel mas crescido no Rio, Ilan é formado pela UFRJ e tem doutorado pelo MIT (EUA). Ele disse ao GLOBO, em sua primeira entrevista desde que assumiu sua candidatura ao BID, que acredita que o cenário global turbulento, com alta de juros e desafios ambientais, reforça a importância do BID, ao mesmo tempo em que amplia as vantagens para a América Latina. Ele disse ainda que o Brasil poderia retomar seu papel de liderança.

- A região pode se posicionar como parte da solução dos atuais problemas globais - afirmou, citando a pandemia, a invasão russa à Ucrânia, os desafios energéticos e a busca de americanos e europeus de reduzirem a dependência chinesa.

Novo governo: Equipe de Lula planeja rever três pontos da reforma trabalhista. Veja quais

- É uma região relativamente pacífica sob o ponto de vista dos grandes conflitos globais. Mas esta posição estratégica não está garantida, depende de investimentos, alívio de gargalos e reforço às instituições para estabelecimento de ambientes econômicos amigáveis - complementou na ocasião.