Cientista propõe canibalismo e dieta de insetos na luta contra fome no mundo

Reprodução

Um dos grandes problemas mundiais, a fome tem sido objeto de estudo de vários especialistas ao redor de todo o globo. E alguns deles, como o sueco Magnus Söderlund, têm saídas, digamos, alternativas para o problema.

O sueco propõe que, com o agravamento da crise climática global e uma aguardada escassez de alimentos decorrente dela, a saída por ser o canibalismo. Mas não em sua forma mais primitiva, é claro.

Leia também

Magnus acredita que comer a carne de pessoas que morreram vai ser uma alternativa viável para salvar o futuro de toda raça humana. Ele ainda crê que a adoção do veganismo e do consumo de insetos — comum em parte da Ásia — também são vias interessantes para driblar o problema.

Para o sueco, o maior impeditivo para que seu plano saia do papel é o que ele considera um tabu social. Ele se diz progressista e afirma não ter problemas de experimentar um bife feito com a carne de algum vizinho que tenha morrido. Mas sabe que essa não é uma postura normal para a maioria das pessoas.

Por isso, em entrevista à rede de televisão TV4, ele afirmou que os humanos deveriam pelo menos começar a considerar essa ideia — adicionando a ela, ainda, a inclusão da carne de seus animais de estimação mortos na dieta.

Durante a entrevista, Magnus fez uma interação com a platéia que acompanhava a gravação do programa. Questionou quem toparia leva a ideia dele adiante. Para surpresa geral, não foram todas as pessoas que negaram a alternativa: 8% dos presentes no estúdio da emissora levantaram a mão e disseram que poderiam topar a experiência.

Söderlund diz crer que se as pessoas fossem apresentadas de maneira gradual, pouco a pouco, à carne humano, um novo mercado teria espaço nas prateleiras mundiais já na próxima década.

Assista, com áudio em sueco, a participação de Söderlund na TV na qual ele fala sobre o canibalismo: