Cantores de K-pop são condenados por estupro coletivo

Louise Queiroga

Cinco homens, incluindo os cantores de K-pop Jung Joon Young e Choi Jong Hoon, foram condenados à prisão por estupro agravado, ou seja, aquele que envolve dois ou mais autores. O veredicto foi proferido nesta terça-feira pelo juiz Kang Sung Soo, no Tribunal Distrital Central de Seul, na Coreia do Sul.

A promotoria havia inicialmente pedido sete anos de prisão para Jung Joon Young e cinco anos para Choi Jong Hoon, ex-membro do grupo F.T. Island. No entanto, o juiz diminuiu um ano na sentença de cada. Ambos também deverão cumprir 80 horas de um programa de reabilitação para autores de violência sexual e não poderão ser empregados em qualquer organização relacionada a crianças e adolescentes durante um período de cinco anos. A promotoria havia pedido dez.

Joon Young, de 30 anos, e Jong Hoon, de 29 anos, foram acusados de terem estuprado uma mulher, enquanto ela estava inconsciente, em março de 2016, junto com outros três homens. Eles pediram desculpas por seus atos e deixaram a indústria do entretenimento.

Imagens do estupro foram compartilhadas em um chat online, onde também foram divulgadas, em 2015, outras cenas de caráter sexual sem que as mulheres soubessem ou tivessem permitido sua propagação. Foram identificadas sete vítimas, segundo a emissora sul-coreana "KBS".

O caso trouxe consequências também para o cantor Lee Jong-hyun, que participava do chat online onde circularam os vídeos ilegais de atos sexuais. Ele também teria feito comentários degradantes sobre mulheres na conversa. No final de agosto, Jong-hyun anunciou sua saída da banda CNBLUE e pediu desculpas por suas palavras e ações inapropriadas.