Caos e êxodo de equipe: diretor de Poderoso Chefão nega problemas em produção de novo filme

O cineasta americano Francis Ford Coppola, diretor da trilogia O Poderoso Chefão, negou que a produção de seu novo filme Megalopolis enfrenta problemas. A declaração veio após relatos de caos nas filmagens e de profissionais abandonando o projeto terem circulado na imprensa americana.

Banksy: Hackers russos atacam leilão beneficente para a Ucrânia

Família real britânica: Príncipe Harry acreditava que Diana teria fingido a própria morte, como revela em livro

— Eu amo meu elenco, amo o que estamos conseguindo a cada dia e estou dentro do cronograma e do orçamento. E isso é o importante para mim — disse o diretor de Apocalypse Now ao site americano Deadline.

Na entrevista, Coppola chega admitir que a produção enfrentou contratempos. A equipe de efeitos visuais, por exemplo, teria sido demitida para manter os custos da produção dentro do orçamento. Já o departamento de arte, por sua vez, abandonou o projeto por diferenças criativas.

— Nunca trabalhei em um filme em que estivesse tão feliz com o elenco. Estou tão feliz com o visual e que estamos dentro do cronograma. Essas matérias nunca dizem quem são as fontes. Para eles, eu digo: apenas espere e veja — completa o cineasta.

A expectativa de Francis Ford Coppola é a de que o filme seja lançado ainda este ano nos Estados Unidos.

"Tudo bem aqui! Não tenho certeza de que set de filmagem vocês estão falando! Não é este! Já estive em sets caóticos e este está longe disso", disse, por meio de nota, o ator Adam Driver, que vive o protagonista da obra, sobre as especulações.

Megalopolis é um projeto desenvolvido pelo cineasta desde meados dos anos 80. Descrito como um romance épico futurista, o filme tem no elenco, além de Driver, Forest Whitaker, Dustin Hoffman, Nathalie Emmanuel e Aubrey Plaza.

Em março deste ano, quando o filme ainda se encontrava em pré-produção, Coppola chegou a afirma que iria colocar parte de seu dinheiro nas filmagens. Conforme declarou à revista Hollywood Reporter, o cineasta separou US$ 120 milhões para gastar no desenvolvimento da obra.