Capitão do Greg Mortimer cortou internet para impedir comunicação, denunciam tripulantes

Cerca de 25 passageiros e 80 membros da tripulação permanecem retidos no barco, depois que no sábado 110 australianos e neozelandeses deixaram o Uruguai em um avião sanitário com destino a Melbourne

O capitão do navio de cruzeiros australiano Greg Mortimer, ancorado em Montevidéu, cortou a Internet para impedir a comunicação com a terra da tripulação, que está pedindo ajuda para retornar aos seus países, denunciou um representante dos trabalhadores marítimos nesta terça-feira.

"Ontem [segunda-feira] eles começaram a cortar a internet, não querem que entrem em contato conosco", disse à AFP Francisco del Gaudio, representante no Uruguai da Federação Internacional de Transportes (ITF), que está em contato com a tripulação do navio desde 20 de abril, quando lhe pediram que ele ajudasse na gestão de medidas para serem repatriados.

O Greg Mortimer está ancorado em Montevidéu desde o final de março, depois de detectar casos de coronavírus entre suas mais de 200 pessoas a bordo.

Uma primeira parte da tipulação, de 110 passageiros australianos e da Nova Zelândia, foi evacuada por um corredor sanitário organizado pelo governo uruguaio em 10 de abril. Os 15 passageiros restantes, americanos e europeus, retornaram aos seus países cinco dias depois.

No entanto, ainda há 84 tripulantes de 21 nacionalidades à bordo da embarcação.