Cardozo pede investigação da PF sobre protestos em São Paulo


Nesta quarta-feira (12), o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo afirmou que fez um pedido para a Polícia Federal uma ‘análise’ dos atos contra o aumento da tarifa do transporte público em São Paulo.

Leia também:
Alckmin chama manifestantes são vândalos e baderneiros

Protesto em São Paulo termina com 16 detidos
Manifestação no Rio de Janeiro reúne 300 pessoas
Grupo protesta em Paris e chama Alckmin de 'vândalo'


Em entrevista ao site G1.com, Cardozo garantiu que existe a possibilidade do governo tomar medidas ‘necessárias’ contra os atos na capital paulistana. E quando questionado sobre a possibilidade do movimento de São Paulo chegar em outros estados, o ministro respondeu: “Temos de apurar as causas e combatê-las com o rigor da lei. Infelizmente, quando se começa a ter abuso, é preciso ter as causas. Portanto, pedimos à Polícia Federal que faça uma análise dessa situação, e, evidentemente, as medidas que forem necessárias serão tomadas. Quem vive no estado democrático de direito tem de garantir a liberdade de expressão, mas, em momento algum, abusos e danos”.

As manifestações têm ocorrido desde a semana passada em São Paulo. O Movimento Passe Livre,  organizador do protesto, informou, por meio de nota, que pediu uma audiência com o prefeito Fernando Haddad para negociar a reversão do reajuste de R$ 3 para R$ 3,20 na tarifa do transporte público, que entrou em vigor na semana passada. Foram detidas 17 pessoas e 85 ônibus foram avariados.

No Rio de Janeiro, a tarifa subiu de R$ 2,75 para R$ 2,95. Pontos de ônibus foram parcialmente destruídos na última segunda-feira (10). Pelo menos 34 pessoas foram detidas e levadas para a 5ª Delegacia de Polícia, no centro da cidade.

O Ministério da Justiça confirmou que Cardozo solicitou uma investigação à PF. E no final da tarde desta quarta-feira divulgou uma nota sobre o assunto.

Nota à imprensa

O ministro da Justiça solicitou à Polícia Federal informações sobre os atos de violência no dia de ontem em São Paulo e Rio de Janeiro, nas manifestações contrárias ao aumento de tarifa do transporte coletivo. Não houve nenhuma determinação para abertura de inquérito policial pela Polícia Federal, uma vez que, até o momento, se configura apenas a competência das polícias estaduais para a apuração de eventuais ilícitos ocorridos.

Assessoria de Comunicação Social
Ministério da Justiça

Carregando...

YAHOO NOTÍCIAS NO FACEBOOK

Siga o Yahoo Notícias