Cariocas e turistas aproveitam último dia do ano para se vacinar no Rio

·3 min de leitura
RIO DE JANEIRO, RJ, 31.12.2021: VACINAÇÃO-RIO -  Luis Alberto tomou a dose de reforço - Postos de vacinação em Copacabana, no Rio de Janeiro (RJ) nesta sexta-feira (31), último dia do ano. As pessoas que forem à praia poderão aproveitar para tomar a vacina contra a Covid-19. (Foto: Zo Guimaraes/Folhapres)
RIO DE JANEIRO, RJ, 31.12.2021: VACINAÇÃO-RIO - Luis Alberto tomou a dose de reforço - Postos de vacinação em Copacabana, no Rio de Janeiro (RJ) nesta sexta-feira (31), último dia do ano. As pessoas que forem à praia poderão aproveitar para tomar a vacina contra a Covid-19. (Foto: Zo Guimaraes/Folhapres)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Com um caso confirmado da variante ômicron e outros 94 sob investigação, a Prefeitura do Rio decidiu montar três postos médicos na avenida Atlântica, em frente à praia de Copacabana, onde cariocas e turistas fazem fila para se vacinar no último dia de 2021,

Esse foi o caso do professor Anderson Eugênio, 44, que aproveitou o dia para tomar a dose de reforço antes de viajar.

"Pode ser que depois dessas festas surjam alguns problemas pela questão na nova variante e da propagação do vírus, que deve aumentar", diz ele, acrescentando que o aumento de casos que está sendo registrado em algumas países da Europa deve se repetir no Brasil. "Mas espero que não haja aumento no número de óbitos."

A prefeitura da cidade de fato informou que o número de testes positivos para Covid-19 passou de 0,7% para 5,5% na última semana.

"No nosso convívio, a gente começa a ouvir que tem alguém com Covid. O que a gente sente ouvindo as pessoas no nosso entorno começamos a perceber também na testagem. Parece inevitável. A gente deve ter um aumento significativo dos casos de Covid", disse nesta quinta (30) o prefeito Eduardo Paes (PSD).

Em São Paulo, as internações por Covid-19 voltaram a subir, passando das mil hospitalizações nesta semana. A ocupação de leitos de UTI na região metropolitana chegou a 30%, maior patamar desde o início de novembro.

O acupunturista Max Carvalho, 48, diz que a vacinação é fundamental para impedir que a pandemia volte a se intensificar na cidade do Rio, como aconteceu em agosto. À época, Paes chegou a falar que a capital era o epicentro da pandemia no Brasil.

"Eu estou otimista em relação à pandemia no ano que vem. Com as eleições, espero que possa vir um governo que seja mais sério e que possa trazer mais dignidade para a população", afirma o homem, que estava na fila de vacinação para tomar a dose de reforço.

"É fundamental que a gente esteja imunizado para dar uma parada na pandemia. Que a gente possa pelo menos ter mais liberdade e um dia possa deixar de usar essa máscara."

Desde outubro, o item de proteção não é mais obrigatório em lugares abertos e sem aglomeração no Rio. Em lugares fechados, porém, a máscara segue obrigatória.

Rodrigo Jaber, 41, veio de Belém para curtir o Réveillon da capital fluminense e aproveitou para tomar a terceira dose. "Eu soube que estariam se vacinando aqui e decidi começar 2022 imunizado. A gente tem que fazer a nossa parte e se vacinar para atravessar essa situação difícil."

No Rio, 80,7% da população completou o esquema vacinal. No Brasil todo, esse índice chega a 67,2%.

A população poderá se vacinar até as 17h nos três postos montados pela prefeitura na Avenida Atlântica. Para se vacinar, é preciso apresentar documento de identidade e CPF.

A partir das 17h30, serão atendidos casos de urgência e emergência nas unidades, que contam com uma equipe de 28 médicos e 18 enfermeiros.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos