Carla Zambelli cria novos perfis após suspensão em redes e fala em ditadura

*** FOTO DE ARQUIVO *** BRASÍLIA, DF, 29.04.2020, A deputada Carla Zambelli (PSl-SP). Na cerimônia de Posse do novo ministro da Justiça André Mendonça, no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*** FOTO DE ARQUIVO *** BRASÍLIA, DF, 29.04.2020, A deputada Carla Zambelli (PSl-SP). Na cerimônia de Posse do novo ministro da Justiça André Mendonça, no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Depois de ter seus perfis nas redes sociais suspensos, a deputada federal Carla Zambelli (PL-SP) divulgou links para suas novas contas na madrugada desta quarta-feira (2).

Aliada do presidente Jair Bolsonaro (PL), Zambelli vinha fazendo postagens favoráveis às manifestações golpistas em favor do presidente. Desde a noite de domingo (30), a militância mais radicalizada faz centenas de bloqueios em estradas pelo país questionando o resultado da eleição de domingo.

"Parabéns, caminhoneiros. Permaneçam, não esmoreçam", escreveu ela na segunda-feira (31), por exemplo. Zambelli é umas figuras políticas do bolsonarismo com maior engajamento na redes.

"Eles estão tirando a voz da mulher mais votada do Brasil", diz Zambelli no vídeo, que encerra com uma frase em tom de pergunta sugerindo que o país está estaria em uma ditadura. "A pergunta é: qual é o próximo passo? A ditadura já chegou no Brasil."

"Como vocês sabem, fui censurada pelo TSE. Peço que compartilhem este vídeo em suas redes e espalhem os novos links das novas redes, por favor", escreveu no novo perfil criado no Twitter.

Nesta terça (1), os perfis de Zambelli (PL-SP) tinham sido suspensos em diferentes redes como Twitter, Facebook e Instagram. No Twitter, constava que ela havia sido retida por decisão judicial.

Como mostrou a Folha, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) tem enviado desde a tarde de segunda uma série de ordens judiciais às plataformas determinando a remoção de grupos de WhatsApp e Telegram com convocação para paralisações nas estradas e pedido de uso das Forças Armadas para um golpe militar.