Carla Zambelli editou troca de mensagens com Moro que levou à TV

Carla Zambelli

A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) editou e adulterou a troca de mensagens com o ex-ministro da Justiça Sergio Moro que apresentou à emissora CNN Brasil, no dia 25 de abril. Nos printscreens apresentados, ela omitiu o trecho em que dizia que, se Moro saísse do governo, Jair Bolsonaro “iria cair”.

O conteúdo na íntegra da conversa entre Zambelli e Moro foi revelado nesta quinta-feira (14), no âmbito do inquérito que apura suposta interferência política de Bolsonaro na PF (Polícia Federal). A investigação tramita no STF, a cargo do ministro Celso de Mello.

Leia também

Nos prints de tela apresentados à CNN, a deputada bolsonarista apagou a mensagem em que diz: “Bolsonaro vai cair se o Sr sair”.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Leia a troca de mensagens entre Carla Zambelli e Sergio Moro. A mensagem apagada está em negrito:

  • ZAMBELLI: “Ministro, por favor, me ouça só um pouco”

  • MORO: “ola”

  • ZAMBELLI: “O Sr é muito maior que um cargo”

  • ZAMBELLI: “O Brasil depende do sr estar no MJ”

  • ZAMBELLI: “Bolsonaro vai cair se o Sr sair”

  • ZAMBELLI: “Entendo sua frustração”

  • ZAMBELLI: “Pelo amor de Deus, me deixe ajudar.”

  • ZAMBELLI: “Vamos amanhã marcar 07h00 com o PR lá no Alvorada”

  • ZAMBELI: “A gente conversa e ele lhe garante a vaga no STF este ano”

  • MORO: “Já falei com ele hoje”

Abaixo, o print apresentado por Zambelli, na entrevista do dia 25 de abril. A íntegra da entrevista à CNN Brasil está aqui:

No print exibido por Zambelli, não há a mensagem em que diz que Bolsonaro 'vai cair' se Moro saísse do cargo. (Foto: Reprodução/CNN Brasil)

A entrevista da parlamentar ocorreu no dia seguinte ao pedido de demissão de Moro do governo Bolsonaro, acusando Bolsonaro de interferir politicamente na Polícia Federal ao demitir o então diretor-geral Maurício Valeixo, e insistir na troca do comando da Superintendência do Rio de Janeiro. Mais tarde, no mesmo dia, Bolsonaro negou as acusações.

‘TRABALHAR’ PELA INDICAÇÃO

Em depoimento à PF na quarta-feira (13), Zambelli afirmou que se ofereceu a Sergio Moro para trabalhar seu nome a uma eventual indicação a vaga no Supremo Tribunal Federal (STF), mas disse que não chegou a conversar com o presidente sobre essa indicação. Disse ainda que o presidente tinha desconfianças com Moro pelo fato de ele ser "desarmamentista", indo contra uma das principais bandeiras eleitorais de Bolsonaro.

Mensagens do celular do ex-ministro da Justiça reveladas pelo "Jornal Nacional" mostraram que Zambelli pediu a Moro para aceitar a demissão do então diretor-geral da PF Maurício Valeixo, pessoa de sua confiança, em troca de uma vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal. Zambelli afirmou no depoimento que a proposta foi para "incentivar" Moro a permanecer no Ministério da Justiça.

"Poderia trabalhar junto ao presidente Jair Bolsonaro no sentido de o ex-ministro Sergio Moro vir a ocupar a futura vaga, com a vaga decorrente da aposentadoria próxima do ministro Celso de Mello", afirmou. "Não chegou a ter qualquer conversa com o presidente Jair Bolsonaro no sentido de o ex-ministro Sergio Moro aceitar a substituição da direção da Polícia Federal, tendo como contrapartida a vaga no STF", disse a deputada.