Carlos Bolsonaro desafia militares e quer intervir em compra de aparelho para espionagem

·2 minuto de leitura
Flavio Bosonaro, center, and Carlos Bolsonaro, sons of Brazil's President-elect Jair Bolsonaro, attend a ceremony officially confirming the presidential elections results, at the Supreme Electoral Court, in Brasilia Brazil, Monday, Dec. 10, 2018. Bolsonaro will be sworn in as Brazil's next president on Jan. 1. (AP Photo/Eraldo Peres)
Carlos Bolsonaro, o 02, teria projeto para criar uma "Abin paralela" (Foto: AP Photo/Eraldo Peres)
  • Carlos Bolsonaro articulou com o Ministério da Justiça um edital para comprar equipamento de espionagem

  • Equipamento seria capaz de acessar celulares e computadores de opositores e jornalistas

  • Fontes revelam que ideia do 02 é criar uma "Abin paralela"

O vereador pelo Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), está desafiando autoridades do alto comando militar. O 02 quer comprar um aparelho de espionagem, capaz de invadir celulares e computadores de críticos de autoridades. As informações são do portal Uol.

Há um edital de licitação, do Ministério da Justiça, no valor de R$ 25,4 milhões, que acontecerá nesta quarta-feira (19). O objetivo é comprar um aparelho de espionagem chamado Pesagus, desenvolvido pela empresa NSO Group, de Israel.

Leia também

No entanto, diferentemente de editais parecidos e apesar de se tratar de um aparelho de inteligência, o processo não envolve o Gabinete de Segurança Institucional nem a Abin (Agência Brasileira de Inteligência) nas tratativas. Na teoria, os órgãos seriam diretamente beneficiados pelo novo aparelho de espionagem.

O Pegasus foi criado para acessar computadores e celular de jornalistas e críticos de governados. Segundo o Uol, Carlos Bolsonaro quer diminuir a atuação dos militares dos órgãos de inteligência. Ao lado do ministro da Justiça, Anderson Torres, o 02 articulou uma forma de deixar o GSI da licitação.

O Gabinete de Segurança Institucional, que está acima da Abin, é chefiado por Augusto Heleno, um militar.

Fontes ouvidas pelo portal explicam que Carlos Bolsonaro quer usar a estrutura do Ministério da Justiça, além da Polícia Federal, para criar uma “Abin paralela”. Procurado pelo Uol, Carlos Bolsonaro não respondeu os questionamentos sobre o assunto.

O Ministério da Justiça e Segurança Pública, por sua vez, alegou que o processo de licitação tem como objetivo a “aquisição de ferramenta de busca e consulta de dados em fontes abertas para ser usado, pelo ministério e órgãos de segurança pública, nos trabalhos de enfrentamento ao crime organizado”. A pasta ainda negou que a licitação tenha relação com o sistema Pegasus.