Carlos e Rogéria Bolsonaro se filiam ao partido de Crivella

Juliana Dal Piva e Bernardo Mello

RIO - Em meio a pandemia do novo coronavírus, o vereador Carlos Bolsonaro, e sua mãe, Rogéria Bolsonaro assinaram nesta quinta-feira a filiação ao Republicanos. O GLOBO adiantou na edição de hoje que os dois estavam em negociações com o partido do prefeito do Rio, Marcelo Crivella, que busca um vice chancelado pelo presidente Jair Bolsonaro para concorrer à reeleição neste ano.

- Abonamos a filiação do vereador Carlos Bolsonaro e de Rogéria Bolsonaro nesta quinta-feira (26). Estamos felizes com a chegada dos novos republicanos, que vão somar ao nosso projeto - escreveu Luiz Carlos Gomes, presidente do Republicanos no estado do Rio.

No último mês, o presidente nacional do Republicanos, Marcos Pereira, afirmou que a sigla poderia abrigar nas eleições municipais em todo o país entusiastas do partido de Bolsonaro, o Aliança pelo Brasil. Pereira, no entanto, afirmou que o partido avaliaria "casos pontuais". No Rio, as negociações avançaram na última semana, graças a uma costura entre o senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) e Gutemberg Fonseca, aliado da família Bolsonaro e atual secretário de Ordem Pública de Crivella.

Rogéria, que já foi vereadora por dois mandatos e deixou a Câmara Municipal em 2001, após ter se separado de Bolsonaro, planeja retomar a carreira política. Ele era filiada ao PSL até o momento. Segundo integrantes do PSL, Rogéria começou a negociar uma ida ao Republicanos após perceber que o Aliança não estaria homologado a tempo das eleições. Já Carlos Bolsonaro deixou o PSC, partido do governador Wilson Witzel.

Carlos, que chegou a sinalizar uma aposentadoria política, teria mudado de ideia e resolvido concorrer neste ano, segundo aliados na Câmara Municipal. Em meio aos acenos de Crivella pelo apoio de Bolsonaro, o vereador e filho nº 02 do presidente também entrou no radar do Republicanos.