Carlos Vereza anuncia rompimento com Bolsonaro: "Tirei o time"

O ator Carlos Vereza. Foto: reprodução/Facebook/carlos.vereza.33

Apoiador declarado de Jair Bolsonaro desde o início de sua gestão, o ator Carlos Vereza anunciou que resolveu romper com o presidente da República. Em um desabafo publicado no Facebook, o intérprete revelou que a gota d’água foi o “ciúme” demonstrado pelo chefe do Executivo em relação ao desempenho do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, frente à crise do novo coronavírus.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário

“Estava tentando defender Bolsonaro, não tanto por ele, mas pela normalidade das instituições. Mas ele desautorizar publicamente o ministro da saúde por ciúmes, não dá mais: tirei o time”, escreveu, na última quinta-feira (2) na rede social.

Leia também:

O desabafo teve mais de duas mil curtidas e foi compartilhada mais de mil vezes. Em outras postagens, Vereza continuou fazendo duras críticas ao presidente, que decidiu contrariar as recomendações de isolamento social e incentivou seus eleitores a romperem a quarentena, que é uma medida utilizada em todo mundo para frear a disseminação da covid-19, que já infectou mais de um milhão de pessoas.

“Essa estratégia de vitimização de Bolsonaro esgotou-se pela repetição, tornou-se previsível, e portanto cansativa. Sempre elege um inimigo, seja real ou imaginário. Assim mantém seus radicais aficionados em constante tensão como se estivesse em clima de campanha permanente. E ai de quem, em sua equipe, comece a destacar-se pela competência: é fritado e expelido sem remissão; e ele sempre vitimizado, ‘traído’ por aqueles em ‘quem tanto confiou’”, analisou.

Com a repercussão do comunicado, o ator, que costumava usar suas redes para manifestar suas ideias sobre política, anunciou que não faria mais publicações públicas.

“Não tomo essa decisão por cansaço. O que me motiva a escrever para poucas pessoas, é estar constatando a invasão de uma horda de bárbaros, quadrúpedes fanatizados, filhotes sectários formados pelo populismo do honesto mas egocêntrico Jair Messias Bolsonaro”, detonou.