Carmen é terceira idosa com imagem falsamente vinculada a supostas mortes no ginásio da PF

Carmen, a senhora que aparece em publicações compartilhadas milhares de vezes nas redes, não faleceu no ginásio da Polícia Federal (PF) em Brasília, como apontam usuários. Ela é a terceira idosa a ter sua imagem falsamente vinculada a supostas mortes após as invasões aos edifícios dos Três Poderes, em 8 de janeiro de 2023. Apesar de ter estado na capital no período, Carmen está viva e, depois da viralização, gravou vídeos desmentindo seu falecimento. A PF informou à AFP que encerrou as atividades de polícia judiciária em 11 de janeiro e que não houve registro de mortes em suas dependências.

“Dona Carmem, 77 anos, presa por exercer um Direito garantido pela constituição. Em um campo de concentração sem água, sem comida, sem banheiro. MORREU SEM ATENDIMENTO MÉDICO ADEQUADO. Dona Carmem, assim como nós tem família e amigos. Deixou o mundo com HONRA!”, diz a legenda de publicações com a foto de uma senhora no Twitter, no Facebook, no Instagram e no TikTok.

Captura de tela feita em 18 de janeiro de 2023 de uma publicação no Twitter ( .)

Essa é a terceira idosa que tem sua imagem vinculada a supostas mortes nas dependências da PF em Brasília após detenções de invasores em um local comparado nas redes a “campos de concentração”. O AFP Checamos já verificou casos falsos envolvendo outras duas senhoras (1, 2).

Mas Carmen também não faleceu no ginásio da PF. Ela esteve na capital no período dos ataques aos edifícios públicos, mas está viva e gravou vídeos pedindo que parassem de compartilhar sua imagem com a mensagem falsa.

Poços de Caldas

Pesquisas por palavras-chave levaram a um vídeo de uma senhora de cabelos brancos e um lenço verde no pescoço afirmando: “Boa tarde a todos. Estou aqui comunicando a todos e pedindo que por favor eliminem essa fake news manifestando que a patriota Carmen morreu em Brasília. Isto é mentira, não é verdade, eu estou muito bem, estou viva, e estou aqui conversando com todas vocês”.

Um comentário do jornalista Clayson Felizola dizia: “Que triste. Essa senhora é de Poços de Caldas, a cidade onde eu nasci”.

Por e-mail, ele indicou à equipe de verificação digital da AFP um jornalista da cidade que estava mais próximo ao caso.

Rodrigo Costa, do site Coluna Bastidores, disse que a idosa saiu de Poços de Caldas para Brasília, mas não foi detida, tendo retornado à cidade.

Ele enviou uma reportagem sua publicada no dia seguinte às invasões, em 9 de janeiro de 2023, que falava sobre a organização de grupos de Poços de Caldas para participar dos ataques.

No segundo vídeo incluído na matéria, uma idosa de cabelos brancos e bengala é mostrada como “exemplo de cidadania” e entrevistada por um blogueiro do canal “Brasília ao Vivo” em meio às vans que levariam o grupo para a capital.

A partir de 2:30, ela diz: “Eu sou a Carmen” e afirma ter 79 anos, completando 80 em fevereiro. O homem responde: “Aí pessoal, uma senhora de 80 anos indo pra Brasília, pra guerra, e tem gente aí no sofá de casa ainda, não é um exemplo de patriotismo? [Carmen concorda com a cabeça] E por que a senhora faz isso pelo Brasil?”

Ela relata que tomou essa atitude “pelo Brasil”, assim como fez em 1964, em referência ao ano em que começou a ditadura militar no país. “Já é uma veterana de guerra já, não é a primeira batalha dela. Isso aí, a senhora está de parabéns, dona Carmen”, conclui o blogueiro.

Na gravação, a idosa aparece com os mesmos trajes e lenço verde vistos em outros registros.

Novas buscas nas redes

A partir dessas informações, o AFP Checamos realizou mais pesquisas nas redes sociais e encontrou outros vídeos de Carmen reagindo às publicações falsas, além de um registro em que conversa com militares, mais uma vez usando o lenço verde e dizendo seu nome. É dessa sequência que saiu a captura de tela de muitas das publicações virais.

Nas contas de sua filha no TikTok e no Instagram, há pelo menos cinco gravações desmentindo mensagens sobre a morte de Carmen. Em uma delas, a legenda diz: “Gentemmm gente tão falando que meu perfil é fake só senhor na causa, bom já esclareci que Dona Carmem não morreu e é minha mãe kkkk , agora querem seguir fake news”.

Respondendo questionamentos sobre a mãe, ela disse que Carmen havia sido liberada em 9 de janeiro, e que no dia 10 estava retornando para casa.

Em outra publicação, a filha de Carmen mostra uma conversa por vídeo com sua mãe e desabafa: “Mais tarde quando ela estiver mais descansada, faremos um vídeo melhor, pedi para ela mostrar a roupa que aparece no vídeo falando com o policial, para pararem de falar que ela morreu, gente isso é sério, da indenização pelo fake espalhado, por propagar mentira da morte dela e ter abalado o psicológico da família, moramos em estados diferentes, então parem de afirmar que ela morreu”.

@patriciadonacarmen Mais tarde quando ela estiver mais descansada, faremos um vídeo melhor, pedi para ela mostrar a roupa que aparece no vídeo falando com o policial, para pararem de falar que ela morreu, gente isso é sério, da indenização pelo fake espalhado, por propagar mentira da morte dela e ter abalado o psicológico da família, moramos em estados diferentes, então parem de afirmar que ela morreu. especialmente para a bonita que me bloqueou ontem na live Alessandra Folsther DONA CARMEM não morreu!! #fake#luto#donacarmen#lutodonacarmem#fypシ#foryou♬ som original - Patrícia D Carmen

A partir dessas postagens, a equipe de verificação digital da AFP conseguiu chegar aos perfis de Carmen Ehrhardt no Instagram e no Facebook, onde há diversas fotos que permitem identificá-la como a senhora das publicações virais. No Facebook, ainda é possível confirmar que ela é de Itajaí e vive em Poços de Caldas, e que apoia pautas compartilhadas por bolsonaristas, como o “voto impresso auditável”.

A assessoria da PF informou ao AFP Checamos em 18 de janeiro de 2023 que as diligências de polícia judiciária realizadas pela Polícia Federal se encerraram em 11 de janeiro e destacou: “Não foi registrada nenhuma morte no local”.