Carnaval 2022: capitais começam a cancelar desfiles e blocos de rua por causa da Covid-19; SP mantém o evento sob análise

·3 min de leitura

Em meio ao aumento de casos de Covid-19 confirmados antes e após as festas de final de ano, grandes cidades brasileiras decidiram cancelar a realização do Carnaval 2022. Apesar da média de mortes por coronavírus continuar em queda, um levantamento feito pelo Instituto Todos pela Saúde (ITpS) mostrou que a variante Ômicron chegou a atingir quase 70% dos casos positivos no dia 25 de dezembro, sendo encontrada em oito estados. Até o momento, apenas São Paulo confirmou ao GLOBO que manterá os desfiles e blocos de rua. Belo Horizonte, Salvador e Fortaleza cancelaram o evento.

Artistas e blocos também estão cancelando suas programações para fevereiro. Em São Paulo, 64 atrações de rua foram anuladas, entre elas estão os das cantoras Daniela Mercury (Pipoca da Rainha) e Gloria Groove (Bloco das Gloriosas), a produtora de funk Kondzilla (Bloco do Kondzilla) e o ator e cantor Tiago Abravanel (Bloco do Abrava), de acordo com a prefeitura da capital.

Confira abaixo o posicionamento de algumas capitais:

Apesar de manter a realização de desfiles e blocos de rua na capital, a prefeitura de São Paulo informou que a realização do Carnaval de 2022 dependerá do cenário epidemiológico da cidade em fevereiro. Segundo o órgão, as avaliações realizadas junto à Secretaria de Saúde em relação aos casos da doença e à capacidade de assistência hospitalar devem ser concluídas na primeira quinzena de janeiro.

A cidade aprovou em publicação no Diário Oficial da última quinta-feira, a realização de 696 desfiles no Carnaval de Rua 2022, o maior número na história da capital. Até o momento, 64 desfiles foram cancelados.

Em nota, a prefeitura de Belo Horizonte informou que não irá patrocinar o Carnaval da cidade e nem realizar cadastro de blocos e investimento em infraestrutura. De acordo com a Secretaria de Comunicação do município, a decisão foi pautada pela orientação dos integrantes do Comitê de Enfrentamento à Covid-19.

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), oficializou no dia 23 de dezembro o cancelamento do Carnaval em municípios baianos em 2022. Em uma rede social, Costa disse que a decisão se deve aos cerca de “2,4 milhões de baianos com a vacina contra a Covid em atraso”, e à epidemia de gripe que tem sobrecarregado o sistema de saúde.

Desde o dia 30 de novembro o prefeito de Fortaleza, José Sarto (PDT), anunciou a suspensão dos editais do ciclo carnavalesco do município e a destinação de R$ 14 milhões que seriam investidos no evento para as secretarias responsáveis pela segurança alimentar, saúde e cultura local. A Câmara Municipal de Fortaleza aprovou no último dia 15 de dezembro o Orçamento para 2022 com as alterações anunciadas pelo chefe do executivo municipal. A decisão na capital cearense foi tomada após o cancelamento do réveillon, influenciada pela alta de casos da Covid.

A prefeitura de Palmas ainda não decidiu sobre a permanência ou cancelamento do Carnaval 2022. O município segue monitorando os indicadores epidemiológicos e o avanço da vacinação, para então considerar ou não a realização do evento. Em nota, a Secretaria de Comunicação informou que “é precoce tomar qualquer decisão a respeito desse tema, uma vez que por se tratar de uma festa de rua, é impraticável manter as medidas de distanciamento social”.

Reportagem em atualização

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos