Carnaval 2022: mesmo sem caixas de som e palco, bloco do Boitatá celebra reencontro no centro do Rio

·1 min de leitura

RIO — A ausência da liberação da prefeitura não impediu que o tradicional bloco do Boitatá abraçasse a Praça Quinze como de costume. Com homenagens a Pixinguinha e fantasias de Noiva Cadáver a alienígenas. Para Kiko Orta, músico organizador do bloco, o sentimento de voltar a rua é de esperança.

— O Boitatá tem 26 anos de história, esse retorno é necessário. Depois de dois anos de sofrimento com a pandemia e tudo mais… esse reencontro do carnaval com a rua era urgente — afirmou o músico.

Musa do Boitatá, Renata Carvalho , afirma que a volta é motivo de felicidade para o ano inteiro.

— O Boitatá é data marcada no meu calendário todo ano. Poder celebrá-lo na rua novamente é para transbordar de alegria. A gente sentiu muita falta disso e mesmo sem a estrutura viemos celebrar essa festa tão linda no lugar dela — conta.

Orgulhosamente usando a mesma roupa em todo encontro do Boitatá há mais de uma década, o músico Tarcísio Cisão se orgulha de poder celebrar o carnaval na rua novamente e vestir o manto de Noiva Cadáver, personagem já tradicional do bloco.

— A Noiva é parte da história do Boitatá, mais de uma década que uso tradicionalmente em todo encontro do bloco. Não toco sem ela.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos