Carnaval: Previsão de chuva entre sexta e quarta-feira de cinzas não desanima cariocas

Dia de chuva no Centro do Rio

RIO — Apesar do calor intenso nos primeiros dias da semana, o tempo deve virar no carnaval. Pancadas de chuva de intensidade moderada a forte são esperadas já na sexta-feira, e a metereologia prevê a passagem de uma frente fria sobre o Rio no sábado, trazendo mais chuva. Para domingo, segunda e terça-feira, a instabilidade deve diminuir, mas ainda poderá chover. A previsão do Instituto Climatempo diz que a quarta-feira de cinzas também será marcada por céu encoberto, com probabilidade alta de chuva.

Devido ao excesso de nebulosidade e a passagem da frente fria esperados para o carnaval carioca, a expectativa é que as temperaturas fiquem mais amenas, diferentemente do início desta semana - marcado por dias muito quentes.

Para se ter uma ideia, a sensação términa mais elevada na cidade do Rio nesta quarta-feira foi de 49,7 graus, registrada na estação de Santa Cruz, de acordo com o Alerta Rio, da Prefeitura.

O Instituto Climatempo explicou que a massa de ar quente e seco que atua sobre o estado ainda influencia o litoral. Os termômetros marcaram temperatura máxima de 37 graus.

— É inspirador um dia lindo como hoje (quarta-feira), mas a previsão de chuva não desanima o carioca. Gostamos de festa e sempre esperamos muito por essa data (carnaval). Com chuva ou sem chuva, vamos aproveitar muito, cantar e dançar os hits do carnaval, é claro! — diz, animado, o professor de dança Vinícius Sande, no Leme, Zona Sul do Rio.

O assistente comercial Lucas Barreiros, de 25 anos, também não pretende mudar seus planos. Mas não chegou a comemorar a possibilidade de chuva forte — isso porque ele vai desfilar em cinco escolas dos grupos A e Especial durante os dias de carnaval. A primeira da maratona, a Cubango, na sexta-feira, quando um temporal pode atingir a cidade durante a noite e madrugada:

— O fato de haver possibilidade de chuva durante os desfiles é desanimador para nós ritmistas, porque uma chuva prejudica demais o rendimento das baterias. Parar na concentração com chuva é bastante complicado também. Nós sambistas não merecíamos mais uma chuva. Mas a gente sabe desse risco e se prepara o ano inteiro pra dar nosso melhor na Sapucaí — contou.