Cartão corporativo: Bolsonaro gastou com pet shop, doces e decoração de festa

Governo Lula libera gastos do cartão corporativo da gestão Bolsonaro - Foto: Andressa Anholete/Getty Images
Governo Lula libera gastos do cartão corporativo da gestão Bolsonaro - Foto: Andressa Anholete/Getty Images

Durante os quatros anos do governo Jair Bolsonaro, o cartão corporativo da Presidência da República foi utilizado para compras que vão além das despesas do dia a dia. Na lista constam itens para decorações de festas, doces e com animais de estimação. Após permanecer em sigilo durante o mandato, o detalhamento gastos foi revelado na noite de quarta-feira pela Secretaria-Geral da Presidência.

A lista fornecida pelo governo é dividida entre diversas categorias, como hospedagem e alimentações. Duas dessas categorias são relacionadas a festas: "material p/ festividade e homenagens" e "festividades e homenagens". Ao todo, foram gastos R$ 21,7 mil. Parte dos gastos foi em lojas de Brasília especializadas em decoração e artigos para festas.

Entre os gastos com alimentação, alguns se destacam. Um dos estabelecimentos que mais recebeu recursos foi o Mercadinho La Palma, em Brasília, que se apresenta como "mercadinho gourmet". Foram R$ 678 mil em gastos ao longo dos quatro anos. No Rio de Janeiro, a lanchonete Lecadô recebeu R$ 126 mil.

Também há diversas despesas em lojas focadas na venda de doces: apenas na Casa do Chocolate, um mercado especializado em guloseimas, foram R$ 46 mil. Em outras docerias foram gastos R$ 1,8 mil. Além disso, apenas em sorveterias foram R$ 8,6 mil.

O governo federal ainda gastou R$ 2,3 mil em pet shops. A maior parte foi na rede Petz, que vende alimentos e outros produtos destinados a animais.

Despesa milionária em hotéis

Os gastos com hotéis são, de longe, os maiores do cartão corporativo da presidência, durante o governo Bolsonaro. O total de R$ 13,66 milhões em hospedagem nos quatro anos de mandato está concentrado em gastos elevados em estabelecimentos pontuais, como o Blue Tree Faria Lima, que acumulou cerca de R$ 553 mil, ou o luxuoso Hilton Brasil que recebeu em despesas do cartão corporativo mais de R$ 268 mil. O estabelecimento com maior gasto, no entanto, foi o Ferraretto Hotel, que recebeu R$ 1,46 milhões.