Cartazes colados na Faria Lima chamam Guedes de 'loser'

·2 minuto de leitura
****ARQUIVO***BRASILIA, DF,  BRASIL,  04-08-2021,  O presidente Jair Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes (FOTO)(Economia) durante Cerimônia de posse de Ciro Nogueira como ministro chefe da Casa Civil, no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
****ARQUIVO***BRASILIA, DF, BRASIL, 04-08-2021, O presidente Jair Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes (FOTO)(Economia) durante Cerimônia de posse de Ciro Nogueira como ministro chefe da Casa Civil, no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A avenida Faria Lima, endereço de grande parte do mercado financeiro da cidade de São Paulo, foi palco neste domingo (29) de uma intervenção crítica ao ministro da Economia, Paulo Guedes, que contrastava com a sobriedade dos edifícios de mármore e de vidro.

Quem passava pela via se deparava com grandes cartazes amarelos com o rosto do economista em preto e branco e a frase em letras gigantes: "faria loser", num trocadilho com a palavra "perdedor", em inglês.

A ação é de um pequeno grupo de designers e comunicadores que assume já ter feito outras intervenções na cidade e que colou sete desses lambe-lambes ao longo da avenida.

A intervenção acontece em um momento em que o mercado, que se fiou no ministro da Economia nas eleições de 2018, ensaia desembarcar do governo de Jair Bolsonaro (sem partido), que fez campanha chamando Guedes de seu "posto Ipiranga".

Um integrante do grupo, que prefere não se identificar, disse que escolheram a Faria Lima, via da zona este da capital, porque é ali que, segundo eles, está a base de apoio a Guedes.

Segundo esse integrante, eles pretendem mostrar que Paulo Guedes fracassou -ideia, diz, que já estaria esclarecida entre quem trabalha no mercado financeiro. Por isso optaram por "loser".

Ele afirma ainda que pessoas do mercado financeiro apoiaram Bolsonaro por causa do hoje ministro, que, nas palavras deste integrante do grupo, foi "absolutamente incompetente" em relação às promessas de campanha.

Ele nega que o grupo tenha agenda político-partidária ou de movimentos sociais.

A relação entre o ministro e o mercado passa por um momento delicado.

No final de junho, ao entregar a segunda parte da Reforma Tributária, Guedes propôs a cobrança de 20% de Imposto de Renda sobre dividendos (parte do lucro distribuído pelas empresas a acionistas), o que causou insatisfação de uma de suas principais bases de apoio.

Na última quarta-feira (25), o ministro disse que pode começar 2022 furando teto de gastos "dependendo da inflação".

"Principalmente com a inflação subindo como está subindo agora, acaba com o espaço de ampliação dos programa sociais; acaba o espaço; até mesmo, dependendo do nível da inflação, eu já posso começar o ano furando o teto", afirmou.

Para turbinar o novo Bolsa Família, o Auxílio Brasil, o governo encaminhou uma proposta aos parlamentares que estabelece o parcelamento em dez anos de todos os precatórios com valor superior a R$ 66 milhões.

Com a medida, o governo espera abrir R$ 33,5 bilhões de espaço no Orçamento de 2022. A proposta viabiliza, por exemplo, que o Bolsa Família seja turbinado.

A popularidade de Bolsonaro vem diminuindo em meio à CPI da Covid, que investiga a atuação do governo federal durante a pandemia de coronavírus, e com o aumento da inflação. Em julho, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), voltou a acelerar e registrou variação de 0,96%, fazendo o índice chegar a 8,99% no acumulado de 12 meses.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos