Casa Branca diz que retirada de vacina da AstraZeneca de fábrica não afetará produção

Carl O'Donnell
·1 minuto de leitura
Frascos rotulados como de vacina da AstraZeneca contra Covid-19 em frente ao logo da empresa em foto de ilustração

Por Carl O'Donnell

(Reuters) - Uma decisão do governo dos Estados Unidos de encerrar a produção da vacina contra Covid-19 da AstraZeneca na instalação de fabricação da Emergent BioSolutions de Baltimore não é um sinal de preocupação com sua segurança ou sua eficácia e não afetará a produção de doses, disse uma autoridade da Casa Branca nesta segunda-feira.

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) ordenou que a Johnson & Johnson assuma a produção no local que estava sendo usado para produzir as duas vacinas. A Emergent foi orientada a parar de fabricar a vacina da AstraZeneca depois que o fabricante contratado cometeu um erro que arruinou 15 milhões de doses de vacinas contra Covid-19 da J&J.

"Esta não é uma decisão que de alguma maneira tenha algo a ver com quaisquer preocupações com a vacina da AstraZeneca", disse Andy Slavitt, conselheiro da Casa Branca para a Covid-19, aos repórteres durante uma coletiva de imprensa virtual.

O imunizante da AstraZeneca, que está sendo usado em dezenas de países, tornou-se alvo de uma vigilância maior por causa de relatos de coágulos sanguíneos extremamente raros, mas graves, no cérebro de algumas pessoas que receberam a vacina.

O erro de fabricação nos EUA ocorreu várias semanas atrás, quando se descobriu que uma leva de vacinas da J&J foi contaminada com ingredientes do produto da AstraZeneca, noticiou o jornal New York Times na semana passada.

No sábado, a J&J reiterou que entregará 100 milhões de doses ao governo até o final de maio.