Casa Branca planeja campanha para destacar vitórias políticas antes de eleições de novembro

Presidente dos EUA, Joe Biden

Por Steve Holland e Kanishka Singh

WASHINGTON (Reuters) - A Casa Branca está buscando melhorar os baixos índices de aprovação do presidente Joe Biden ao lançar uma campanha para destacar algumas das recentes vitórias políticas importantes do governo antes das eleições de meio de mandato em novembro.

Integrantes do gabinete do governo Biden farão 35 viagens a 23 Estados até o final de agosto, mostrou um memorando nesta segunda-feira. Biden realizará a quarta reunião ministerial de seu mandato antes do Dia do Trabalho, no começo de setembro. Ele também irá a Ohio para participar da inauguração de uma nova megafábrica da Intel.

De acordo com o memorando, a Casa Branca também organizará "centenas de reuniões e mesas redondas" em colaboração com parlamentares democratas no Senado e na Câmara dos Deputados para destacar as recentes vitórias legislativas.

A aprovação pública de Biden, embora tenha subido na semana passada para seu nível mais alto desde o início de junho, ainda permanece muito baixa, uma vez que apenas 40% dos norte-americanos aprovam seu desempenho, segundo uma pesquisa de opinião Reuters/Ipsos concluída na terça-feira passada.

O índice de aprovação de Biden está abaixo de 50% desde agosto do ano passado, conforme os norte-americanos lidam com a inflação alta e uma economia ainda marcada pela crise da Covid-19.

Os correligionário democratas de Biden enfrentam uma batalha difícil para manter seu controle estreito da Câmara e do Senado nas eleições de 8 de novembro. No entanto, vitórias democratas nas últimas semanas em prioridades legislativas, como mudança climática, controle de armas, semicondutores e preços de medicamentos, bem como queda nos preços da gasolina e alívio na inflação, deram a Biden e sua equipe a esperança de que os eleitores não darão as costas ao partido em novembro.

Um projeto de lei de 430 bilhões de dólares, visto como o maior pacote climático da história dos EUA, foi aprovado este mês pelo Congresso e em breve será sancionado por Biden.

Analistas políticos têm dito que os republicanos estão prestes a conquistar maioria na Câmara, mas a corrida pelo controle do Senado parece muito mais acirrada.

O controle republicano de uma ou ambas as casas pode frustrar grande parte da agenda legislativa de Biden na segunda metade de seu mandato de quatro anos.

Os detalhes do plano de viagens e campanha de mídia foram descritos em um memorando da Casa Branca pela vice-chefe de gabinete Jen O'Malley Dillon e a conselheira sênior Anita Dunn ao chefe de gabinete Ron Klain.