Casa de policial penal de São Paulo é incendiada após ele salvar irmão do 'tribunal do tráfico' no Rio

Três homens foram baleados e presos acusados de integrarem um "tribunal do tráfico" em Volta Redonda, região Sul Fluminense do Rio. Segundo a investigação da Polícia Civil, um policial penal de São Paulo soube que seu irmão mais novo seria executado pelos criminosos e foi socorre-lo. Durante a ação houve troca de tiro e os três homens foram baleados. Por represália ao policial, a sua casa na cidade teria sido incendiada.

O caso é investigado pela 93 DP (Volta Redonda) como legítima defesa do agente de São Paulo. Magno de Carvalho, Julio Cesar Ferreira e Misael Silva foram baleados e levados ao hospital São João Batista. Eles estão sob custódia.

Após o tiroteio, o policial penal se apresentou na delegacia onde prestou depoimento. A polícia vai investigar se a ordem de incendiar a casa e expulsar a família do agente partiu de Thiago Claudio Duarte, vulgo Thiago Cabeça, chefe do tráfico na região. Em 2021 ele foi alvo de uma ação da Polícia Civil e do Ministério Público que investiga os traficantes do interior do Rio.

A operação foi batizada de Futebol Clandestino por conta do nome de um dos grupos de WhatsApp descobertos pelos investigadores com dezenas de bandidos, onde interceptações mostraram que eles tratavam abertamente sobre compra e distribuição de drogas, armas, munições, materiais de endolação, e também trocavam informações sobre alvos, que eram na maioria das vezes policiais e traficantes de facções rivais. Segundo os promotores, Thiago Cabeça é responsável por coordenar todas as ações adotadas pelos outros integrantes, inclusive o assassinato de usuários devedores e de outros traficantes.