Caso Covaxin: Ministério da Saúde confirma cancelamento do contrato com a Precisa Medicamentos

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA — O Ministério da Saúde anunciou nesta quinta-feira o cancelamento do contrato da Covaxin com a Precisa Medicamentos. A confirmação foi feita pelo ministro da saúde, Marcelo Queiroga, em entrevista à imprensa nesta quinta-feira.

— O contrato, independente de qualquer outro ponto, ele já perdeu o objeto e o Ministério da Saúde apenas aguarda o posicionamento da precisa para considerar esse assunto Bharat Biotech encerrado — explicou o cardiologista.

A Controladoria-Geral da União (CGU) apresentou os resultados da auditoria. Durante a apresentação do relatório, o ministro-chefe Wagner Rosário nega que tenha havido proposta de US$ 10 ou aumento de 1000% na oferta realizada ao Brasíl. A CGU divulgou que encaminhará os resultados da auditoria à Polícia Federal e à Saúde.

— Não houve nenhuma celeridade indevida. A verificação clara de que a situação da pandemia justificava o rito célere que foi adotado e o mais importante a se esclarecer: toda a celeridade do processo está especificada nos despachos — disse Rosário.

O anúncio do Ministério da Saúde e da Controladoria-Geral da União vem após uma sucessão de decisões contra a Covaxin. A mais recente delas foi a suspensão da importação excepcional na terça-feira, por parte da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), na última terça-feira. Com uma série de condicionantes, o órgão regulador havia permitido que a pasta a importasse e distribuísse 1 milhão de doses — o equivalente a 1% da população brasileira. A decisão, datada do início de junho, não configurava autorização para uso emergencial.

A Anvisa cancelou os estudos clínicos, suspensos desde sexta, com o imunizante no Brasil na segunda-feira. No sábado, encerrou a análise para o pedido de uso emergencial após a fabricante Bharat Biotech anunciar no dia anterior que a Precisa Medicamentos, alvo da CPI da Covid, não mais a representava no país.

O laboratório indiano informou não reconhecer a autenticidade de dois documentos enviados pela farmacêutica paulista ao ministério com uma suposta assinatura da Bharat Biotech. Procurada, a Precisa diz que "jamais praticou qualquer ilegalidade e reitera seu compromisso com a integridade nos processos de venda, aprovação e importação da vacina Covaxin".

O contrato para a compra de 20 milhões de doses da Covaxin foi suspenso pelo ministério em 29 de junho após recomendação da CGU. Desde então, a pasta avalia o fim do contrato, assinado em fevereiro, o que nunca havia sido anunciado oficialmente.

O acordo com a Precisa — de R$ 1,6 bilhão, o valor mais caro por dose — passou a ser suspeito de irregularidades e corrupção após denúncia de um servidor do Ministério da Saúde, Luis Ricardo Miranda, que diz ter sido pressionado para agilizar a compra. Junto ao irmão, o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF), denunciou o caso ao presidente Jair Bolsonaro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos