Caso Daniel: "Gêmeos não conheciam a família Brittes", diz advogado

Juninho já teria mudado depoimento três vezes, segundo advogado (Foto: Reprodução)

A cada dia, uma novidade no caso da morte do ex-jogador Daniel.

Você já viu o novo app do Yahoo Esportes? Baixe agora!

Após Edison Brittes Júnior, o Juninho, assumir a autoria do crime e declarar que tentou proteger mais pessoas envolvidas na agressão, o advogado dos irmãos citados por Juninho disse que seus clientes estavam “no lugar errado e na hora errada”.

Os irmãos são testemunhas no caso e falaram à polícia nos últimos dias. Os depoimentos estão mantidos em sigilo. Eles são filhos de um casal de políticos de São José dos Pinhais.

“Essa é mais uma versão dele, a terceira, que se contradiz com as outras duas. É uma tentativa desesperada de fazer a defesa dele”, afirmou ao UOL Ricardo Dewes, advogado das testemunhas acusados por Juninho.

Leia mais:
Milan cogita contratar Pato
Godín revela torcida por Griezmann no Bola de Ouro
“Rumores”, diz Pochettino sobre interesse do Real

Segundo o depoimento de Edison, um dos irmãos agrediu Daniel na casa da família após o marido supostamente ter presenciado o ex-jogador tentar estuprar sua mulher Cristiana. Por serem “gêmeos”, Juninho não soube dizer quem foi o agressor.

O advogado dos irmãos disse que eles não conheciam a família antes da festa de Allana Brittes, comemorada numa boate, e que eles tiveram “a infeliz ideia de ir nessa after party” na casa dos Brittes.

Dewes reafirmou que seus clientes foram ameaçados por Edison. O principal suspeito pelo assassinato de Daniel teria chamado testemunhas para combinar os depoimentos à polícia. Esse encontro aconteceu em um shopping.