Caso do triplex do Guarujá envolvendo Lula é arquivado por Justiça do DF

·1 min de leitura
Processo do triplex do Guarujá prescreveu, segundo juíza. Foto: Mario De Fina/NurPhoto via Getty Images.
Processo do triplex do Guarujá prescreveu, segundo juíza. Foto: Mario De Fina/NurPhoto via Getty Images.
  • Caso do triplex do Guarujá prescreveu

  • Pedido de arquivamento já havia sido feito por PGR

  • Em dezembro, STF entendeu a atuação do juiz Sergio Moro como suspeita

O processo do triplex do Guarujá, no qual o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) estava envolvido, foi arquivado pela juíza Pollyanna Alves, da 12ª Vara Federal Criminal de Brasília, nesta quinta-feira (27).

Na decisão, a juíza reconheceu a prescrição do caso, pois o prazo para réus com mais de 70 anos é cortado pela metade.

“Ressalto, por oportuno, que a prescrição ora reconhecida decorre da anulação promovida pelo Supremo Tribunal Federal de todos os atos praticados pelo então juiz federal Sérgio Fernando Moro”, afirmou. “Pelo exposto, acolho a promoção ministerial e determino o arquivamento dos autos”.

A Procuradoria da República no Distrito Federal já havia pedido o arquivamento do caso em dezembro do ano passado. A procuradora da República Marcia Brandão Zollinger enviou uma manifestação à Justiça Federal, na qual apontou a prescrição - ou seja, o fim do prazo para punição - dos supostos crimes cometidos pelo petista.

A manifestação veio após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de abril, que entendeu como suspeita a atuação do ex-ministro Sérgio Moro no caso. A decisão anulou a condenação de Lula.

Com isso, a investigação seguiu para a Justiça Federal em Brasília e teria de recomeçar do zero, sem poder aproveitar as provas do processo original, que correu em Curitiba.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos