'Flordelis era Deusa e filhos não privilegiados eram escravos', alega MP no debate final do júri

No início da noite deste sábado, o julgamento de Flordelis dos Santos chegou na penúltima etapa. O Ministério Público e a defesa dos réus fazem os últimos debates antes de o Conselho de Sentença decidir se os acusados serão condenados ou absolvidos. O juri é realizado no Fórum de Niterói e deve ter o resultado até a manhã deste domingo. Além da pastora, são julgados André Luiz Oliveira, filho afetivo que foi o primeiro interrogado neste sábado; Marzy Teixeira, filha afetiva; Simone dos Santos Rodrigues, filha biológica da pastora; e a neta Rayane Oliveira. No fim das alegações, o MP pediu a absolvição de André pela morte do pastor, mas manteve o pedido de condená-lo por tentativa de homicídio — por tentar envenená-lo — e por associação criminosa armada. Os demais réus responderão pelo assassinato de Anderson. O Ministério Público também pediu uma redução de pena para Rayane, por ela ter uma contribuição menor no planejamento do crime.

Caso Flordelis: veja perguntas e respostas em interrogatório de pastora em sexto dia de julgamento

Em interrogatório, Flordelis é questionada por jurado se seu choro é real

Cada lado terá duas horas e meia para pedir a absolvição ou a condenação dos réus. Poderá haver, ainda, pelo menos duas horas para réplica e o mesmo tempo para tréplica. Os mesmos advogados defendem Flordelis, Rayane, André e Marzy. Apenas Simone é representada por outra advogada, Daniela Grégiorio. Após os debates, os sete jurados, quatro mulheres e três homens, irão se reunir na “Sala Secreta” para decidir o futuro dos réus. Eles são moradores de Niterói e não necessariamente possuem formação jurídica.

Além do envolvimento na morte do pastor Anderson do Carmo em 2019, uma das acusações que os réus enfrentam é sobre uma tentativa de envenenamento do pastor antes de seu assassinato, o que também foi negado pela ex-deputada. Em uma mensagem enviada por um telefone da filha, Flordelis teria dito para dar um “arrozinho” para Anderson.

Testemunha de defesa: Perito de defesa que atuou em julgamento de Jairinho e Matsunaga aponta supostos erros em laudos da morte de pastor

Relato de abuso: 'Saí do banho e ele estava se masturbando no quarto', diz neta de Flordelis sobre pastor Anderson

O assassinato do marido de Flordelis foi em 16 de junho de 2019 na garagem da casa da família, em Niterói. O laudo cadavérico atestou que a vítima tinha 30 marcas de tiro no corpo. Questionada por sua advogada Janira Rocha, a ex-deputada disse que não viu quem cometeu crime, mas atribuiu a “abusos” cometidos pelo pastor dentro de casa o motivo do homicídio.

— É muito difícil pra mim falar, mas foi a ciência, os abusos. Os abusos na minha casa — disse a pastora. — Eu não tinha conhecimento. Eu amava meu marido. Ele era tudo para mim, era minha vida. Houve desconfiança uma única vez com minha filha Kelly.

O Ministério Público abriu sua fala dizendo aos jurados que o julgamento durou seis dias porque se tornou dois: um dos cinco réus que respondem pela morte de Anderson do Carmo e outro do próprio pastor. Os relatos de supostos abusos sexuais foram tratados como “a mais nova tese” dos defensores e que “viola a memória da vítima”.

— Fizemos dois júris aqui. São cinco as pessoas que vieram ser julgadas, mas o que vimos foi uma tentativa da defesa fazer o Anderson sentar no banco dos réus. Morto não fala. Na visão do Ministério Público, essa tese de conveniência é violadora da dignidade e da memória da vítima. A vítima é Anderson, que foi encontrado com 30 perfurações, de cueca, na porta de casa. A tese dos abusos sexuais é a mais nova. A primeira que surge é o latrocínio, que durou um dia. Quer se fazer uma releitura e jogar nessa história pontos de abuso — afirmou Mariah Paixão, promotora do Ministério Público.

Interrogatório: Flordelis fala pela primeira vez diante do júri neste sábado, após cinco dias de julgamento

Foi exibido um vídeo em que Lucas Cezar dos Santos depõe ao Tribunal de Justiça sobre como comprou a arma usada na morte do pastor. A compra da pistola foi feita dois dias antes do assassinato de Anderson. Ele ainda lembra que Rayane e Marzy ofereceram R$ 10 mil e relógios do pastor para assassiná-lo. No depoimento, ele diz “achar” que o dinheiro viria de Flordelis, pois as irmãs não poderiam ter tamanha quantia disponível. Lucas já foi condenado pela participação no crime.

“A Marzy mandou um print para mim da conversa dela com a Flordelis. Era para eu simular um assalto, pegar as coisas dele e sumir”, contou Lucas à época.

Caso Flordelis: 'Só aconteceu porque ela permitiu que acontecesse', diz filha adotiva da pastora sobre morte

Enquanto o Ministério Público apresentava seus argumentos, Flordelis permaneceu de cabeça baixa, como em grande parte do julgamento. Ao promotor lembrar a história de Moisés, neto da pastora, que teria sido “doado” de uma das filhas afetivas a Simone, a pastora balançou a cabeça de forma negativa.

— É uma história de um poder absoluto de alguém que se considerava uma Deusa e começou a ser questionada por dar privilégio a filhos biológicos, enquanto deixava os outros escravos de lado. Anderson era quem administrava as contas da família. Ela começou a achar pouco os 40% destinados a ela dos lucros — afirmou o promotor Décio Oliveira.

Para sustentar a tese de que Anderson do Carmo teria sido envenenado pelos réus antes de sua morte, o MP lembrou as mensagens recuperadas nos aparelhos dos réus. Em uma das conversas enviada por um telefone da filha, Flordelis teria dito para dar um “arrozinho” para Anderson. O MP também levou uma gravação do perito Luis Carlos Prestes que analisou os prontuários médicos do pastor. O médico afirmou “chamar muita atenção” ele ter seis atendimentos em um curto período com os mesmos sintomas.

“Cheguei à conclusão de que esses sinais e sintomas coadunam para arsênio, com uma intoxicação crônica. Uma vez inserido em doses subletais, causaria esses sinais e sintomas que ele apresentou no hospital. Não cheguei a essa conclusão apenas pelos sintomas, mas o arsênio pode se apresentar em forma solúvel que é facilmente misturado à comida, à água. Tem um aspecto de pó branco e isso facilita a intoxicação para que a vítima não perceba a mistura. Uma intoxicação crônica simularia sintomas genéricos” afirmou o perito à época.

'Flordelis: questiona ou adora': série documental analisa todos os ângulos do assassinato do pastor Anderson

Em seguida, o Ministério Público mostrou um depoimento em juizo de Simone em outro processo. Na época ela foi questionada do porquê ter pesquisado na internet sobre onde comprar “cianeto” e !alimentos que continham”.

“Pesquisei, mas não foram para matar o pastor Anderson. Estava assistindo uma série de investigação. Minha amiga falou que estava com um cachorro com câncer no quintal e iria matá-lo de paulada. Pesquisei alimentos que continha o cianeto. Nunca tentei envenenar o pastor”, disse a acusada na época.

O MP pede a condenação dos réus por:

Associação criminosa armada – todos os réus

Pena menor para Rayane no homicídio (não responde por tentativa)

Flrodelis – homicídio, tentativas de homicídio, uso de documento falso e associação criminosa armada

Simone – homicídio, tentativas de homicídio, associação criminosa armada

Marzy - homicídio, tentativas de homicídio, associação criminosa armada