Caso Flordelis: Delegada diz que nada aconteceria 'sem aval' de deputada sobre a morte de pastor

Adriana Mendes
·2 minuto de leitura

A delegada Bárbara Lomba, que atuou na primeira fase das investigações da morte do pastor Anderson do Carmo, reforçou nesta terça-feira, dia 23, em audiência no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, em Brasília, que “nada aconteceria na casa sem o aval final da deputada" Flordelis (PSD-RJ), que é ré pela morte do marido. Flordelis é alvo de uma representação por quebra de decoro que pode levar à cassação do mandato.

Anderson foi morto a tiros na garagem de casa em Niterói, em 2019. A primeira versão dada pela deputada foi de um latrocínio, roubo seguido de morte. No entanto, com o desenrolar das investigações foi apontado o envolvimento de familiares.

A delegada disse no depoimento que havia muita influência da deputada no núcleo familiar e que todos apontados pelo crime têm um “forte envolvimento” com a parlamentar. Flordelis é réu no processo junto com outros sete filhos e um neto, além de um policial militar e a esposa dele.

— Nós conseguimos saber com clareza, isso eu não tenho dúvida, que nada aconteceria dentro daquela casa, e como aconteceu, sem o aval final da deputada — disse a delegada destacando que não existe “uma ordem direta” para o assassinato de Anderson.

A defesa de Flordelis questionou a delegada sobre o “núcleo financeiro” da família, que não teria sido investigado. Bárbara respondeu que não concluiu as investigações do caso, mas que todas as hipóteses foram levantadas.

Na semana passada, na primeira parte do depoimento ao colegiado, a ex-delegada do caso afirmou que as investigações mostram que o crime teve influência de Flordelis. Segundo ela, parte do conteúdo das mensagens trocadas pela família era cifrado.

O Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) determinou, em fevereiro, que Flordelis fosse afastada do mandato. No entanto, já se passaram 50 dias e a decisão ainda não foi submetida ao Plenário da Câmara dos Deputados. Com imunidade parlamentar, a deputada é monitorada por tornozeleira eletrônica desde 8 de outubro de 2020.