Caso Flordelis: entenda a morte do pastor Anderson do Carmo em poucas palavras

·3 min de leitura

RIO — O pastor Anderson do Carmo foi morto a tiros na garagem da casa da família, em Pendotiba, Niterói, no dia 16 de junho de 2019. A vítima foi morta pouco antes das 4h, quando chegava à residência após um passeio com a mulher, a então deputada federal e também pastora Flordelis dos Santos de Souza. O exame de necropsia apontou que Anderson tinha 30 perfurações provocadas por projétil de arma de fogo pelo corpo. Logo após o crime, Flordelis disse à imprensa que Anderson tinha morrido tentando evitar que bandidos entrassem na casa. A Polícia Civil nunca seguiu essa linha de investigação e logo no início desconfiou que o crime tivesse sido cometido por familiares.

A vítima

O pastor Anderson do Carmo tinha 42 anos quando foi morto, 16 a menos do que a esposa. Morador da favela do Jacarezinho, na Zona Norte do Rio, conheceu Flordelis na comunidade aos 14 anos.

Encantado, Anderson começou a frequentar a casa de Flordelis, que já recebia dezenas de crianças à época, e acabou passando a morar no local. Não demorou para que eles engrenassem um relacionamento. Juntos, construíram a igreja da família e a carreira artística de Flordelis como cantora e pastora. Anderson foi a “cabeça pensante”, o articulador por trás do produtos que Flordelis se tornou. Era despachado e inteligente.

Os réus

Flávio dos Santos Rodrigues, de 40 anos, é o mais velho dos três filhos biológicos de Flordelis com o primeiro marido, o também pastor Paulo Xavier. O primogênito da ex-deputada era apenas quatro anos mais novo que a vítima e tinha voltado a morar na casa da família meses antes do crime, após ter se separado da ex-mulher. O filho de Flordelis, preso desde o dia seguinte ao crime, é acusado de ter atirado no padrasto na garagem da casa da família. Ele chegou a confessar o crime à polícia, mas voltou atrás e passou a negar que tenha assassinado a vítima.

Lucas Cezar dos Santos, de 20 anos, foi adotado por Flordelis e Anderson em 2013, junto com quatro irmãs biológicas. Eles viviam na favela Reta Velha, em Itaboraí, e foram as últimas adoções feitas pelo então casal. O rapaz é acusado de ter ajudado o irmão Flavio a comprar a arma do crime na favela Nova Holanda, Complexo da Maré, Zona Norte do Rio.

As acusações

Flávio e Lucas respondem pelo crime de homicídio triplamente qualificado (por meio cruel, motivo torpe e mediante traição, emboscada ou qualquer recurso que dificulte ou torne impossível a defesa da vítima).

Já Flavio responde ainda por posse ilegal de arma de fogo de uso restrito, associação criminosa e uso de documento falso. O filho de Flordelis foi acusado de participar de um plano para atrapalhar as investigações do caso, forjando uma carta mudando a versão sobre o crime.

A situação de Flordelis

Presa desde 13 de agosto deste ano, após ter perdido o mandato de deputada federal, Flordelis ainda não tem data para ser julgada por ser mandante da morte do marido, ocorrida em junho de 2019. A pastora recorre de decisão que determinou que ela seja levada a júri popular.

O que motivou o crime?

A ex-deputada federal Flordelis é acusada de ser a mandante da morte do próprio marido e para isso contou com o auxílio de filhos e uma neta. Para o Ministério Público, Anderson foi morto por questões financeiras e briga por poder dentro da própria família. Além de Flordelis, Flavio e Lucas, outros quatro filhos e uma neta são réus pela morte de Anderson. A ex-deputada é acusada de tentar matar o pastor envenenado e de ser a mentora da fraude com a carta que visava a atrapalhar as investigações.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos