Caso Henry Borel: Solidariedade expulsa Dr. Jairinho do partido

·2 minuto de leitura
Dr. Jairinho, vereador pelo Rio de Janeiro, foi preso na manhã desta quinta-feira (Foto: Reprodução/TV Globo)
Dr. Jairinho, vereador pelo Rio de Janeiro, foi preso na manhã desta quinta-feira (Foto: Reprodução/TV Globo)
  • Solidariedade expulsou Dr. Jairinho do partido

  • Monique Medeiros e Jairinho foram presos na manhã desta quinta-feira

  • Mais tarde, Polícia Civil detalhou investigação sobre o caso

O partido Solidariedade decidiu expulsar Dr. Jairinho, vereador pelo Rio de Janeiro, da legenda. A decisão foi anunciada na tarde desta quinta-feira (8), mesmo dia em que o político foi preso por atrapalhar as investigações do caso Henry Borel, enteado de Dr. Jairinho. 

A mãe do menino, Monique Medeiros, também foi presa. Os dois devem ser indiciados por homicídio duplamente qualificado. 

“Diante dos novos fatos revelados, a Executiva Nacional do Solidariedade, em conjunto com a Estadual do partido, resolve expulsar, de forma sumária, o vereador Dr. Jairinho”, diz a nota do partido.

Leia também

Pela manhã, o Solidariedade havia dito que afastaria o vereador. No entanto, após a coletiva de imprensa da Polícia Civil do Rio de Janeiro, a decisão foi pela expulsão. O delegado responsável pelo caso, Henrique Damasceno, relatou sessões de tortura de Jairinho contra o menino. 

Na nota divulgada antes, o partido disse que repudia “todo e qualquer tipo de maus tratos e violência, principalmente contra crianças e adolescentes”.

Comissão de Ética da Câmara de Vereadores

A vereadora Teresa Bergher (Cidadania) alegou que vai pedir o afastamento do vereador Dr. Jairinho ainda nesta quinta-feira (8). Ela é a autora do pedido que criou o Conselho de Ética. O grupo vai se reunir hoje.

O vereador é integrante do grupo, mas será substituído por um suplente.

Mãe “concordou com o resultado”, diz delegado

Mãe sabia que filho tinha sido agredido por Dr. Jairinho (Foto: Reprodução)
Mãe sabia que filho tinha sido agredido por Dr. Jairinho (Foto: Reprodução)

Em 12 de fevereiro, a babá que trabalhava com Monique Medeiros e cuidava de Henry Borel, alertou a mãe que o menino havia sido agredido pelo padrasto, o vereador Dr. Jairinho. A polícia apreendeu o celular da funcionária e encontrou conversas entre as duas.

Dr. Jairinho e Monique foram presos na manhã desta quinta-feira (8) por atrapalharem as investigações sobre o caso.

O relato teria sido feito pelo próprio Henry para a babá: Jairinho pegou o menino pelo braço, deu uma rasteira no menino e o chutou. As informações foram reveladas pelo delegado Henrique Damasceno, titular da 16ª DP, da Barra da Tijuca, onde o caso foi registrado.

Para Henrique Damasceno, "não tem a menor dúvida que ela (Monique Medeiros) não só se omitiu quando a lei a obrigada a fazer, como ela concordou com o resultado. Ela aceitou o resultado. Ela se manteve firme ao lado dele."

"A própria babá fala que o Henry estava mancado, que quando ela foi dar banho no Henry ele não deixou lavar a cabeça, porque ele estava com dores. Se trata de uma prova extremamente relevante. Fica muito claro que toda aquela versão que nos foi apresentada de uma família harmoniosa era uma farsa", disse o delegado durante entrevista coletiva.