Caso Henry: dias após a morte do filho, mãe do menino procurou por aulas de inglês e culinária

Paolla Serra
·3 minuto de leitura

Além de cuidar da beleza, realizando serviços de manicure, pedicure e escova dias após a morte do filho, Henry Borel Medeiros, Monique Medeiros da Costa e Silva também investiu em outras atividades e hobbies. Em mensagens recuperadas no celular da professora e que constam no inquérito da Polícia Civil que apura a morte do menino, ela demonstra interesse por um curso de inglês e ainda por aulas de gastronomia, isto dois dias após o caso, ocorrido em 8 de março. Ela e o namorado — o médico e vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (sem partido) — foram presos na última quinta-feira, acusados pelo crime.

Na noite do dia 10, por meio de aplicativo de mensagem, Monique entrou em contato com um curso de idiomas, com unidade próximo a seu apartamento, na Barra, para aulas de inglês. Interessada numa oportunidade de oferta de desconto, ela pergunta se as aulas ocorrem presencialmente.

No dia seguinte, por meio de uma rede social, Monique entrou em contato com uma chef de cozinha para pedir informações sobre aulas práticas de culinária. Ela escreveu na mensagem: "Sou Monique Medeiros, tenho interesse em fazer uma aula prática com você. Como faço pra entrar na lista de espera? Um grande beijo em seu coração."

Como noticiado pelo EXTRA, no dia seguinte ao enterro de Henry, Monique foi a um salão de beleza perto do apartamento onde moravam, na Barra da Tijuca. Na troca de mensagens através de um aplicativo, no dia 12, uma atendente fala dos serviços prestados de manicure, pedicure e escova, que totalizaram R$ 240 e foram feitos por três profissionais.

O local — que fica próximo ao condomínio onde Monique, o namorado Dr. Jairinho e Henry moravam — é frequentado pela mãe do menino desde que passaram a residir na região, em novembro do ano passado, dois meses após ela conhecer o vereador durante um almoço profissional no Village Mall. Eles começaram a namorar em setembro e logo escolheram o apartamento 203 do bloco I do Majestic para dividir com a criança.

Pouco depois desse atendimento, a professora deu continuidade aos cuidados com a beleza, mas num novo endereço onde passou a morar: a casa da mãe, em Bangu, também na Zona Oeste do Rio. Nas mensagens em um aplicativo do seu celular recuperadas pela Polícia Civil mostram que ela solicitou serviços de cabeleireiro e manicure delivery, na noite de 25 de março.

Nas conversas, às quais o EXTRA teve acesso com exclusividade, Monique escreve para uma das profissionais: “Estou na minha mãe. Você pode vir? Pago seu carro de aplicativo. Pago o que for a mais pra vc poder vir, pois a tarde terei reunião”, insiste a professora. Elas combinam o horário para “antes do almoço” do dia seguinte e Monique explica que estará em casa pela manhã e que tem reuniões à tarde diariamente.

Em entrevista ao EXTRA, o engenheiro Leniel Borel, pai de Henry, falou da relação que teve com a ex-esposa durante e depois do casamento. Após a prisão do casal, acusado da morte do menino de apenas 4 anos, Leniel passou a perceber que os pequenos detalhes daquela rotina narcísica diziam muita coisa sobre a personalidade da ex-mulher. Ao ser perguntado se Monique pôs o filho em risco pelo luxo, ele respondeu: "está muito claro para todo mundo que a Monique sempre quis um pouco mais. Esse lado narcisista dela aparece nas fotos que fazia. Ela sempre aparece na frente, Henry atrás. Eu sempre estava em último plano. Em dez anos de casamento, era ela sempre na frente e todo o resto para trás".