Caso Henry: juíza nega pedido de Jairinho para novos depoimentos de médicos

A juíza Elizabeth Machado Louro, do II Tribunal do Júri, negou os pedidos da defesa do médico e ex-vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Jairinho, para que os responsáveis pelo atendimento de seu enteado, Henry Borel Medeiros, no Hospital Barra D’Or, prestassem novos depoimentos. As diligências foram requeridas após o depoimento do assistente técnico Sami El Jundi, contratado pelo ex-parlamentar, na semana passada. Durante a continuação da audiência de instrução e julgamento do processo em ele que é réu com a ex-namorada, a professora Monique Medeiros da Costa e Silva, por torturas e pela morte do menino, o perito afirmou que a criança chegou viva na unidade de saúde e sugeriu que ela pode ter sido morta durante os procedimentos de reanimação realizados na unidade de saúde, na madrugada de 8 de março de 2021.

Caso Henry: Entenda como as provas técnicas atestaram que o menino Henry foi vítima de homicídio

Em áudio: Advogado de Leniel que agora defende Jairinho diz que entrou na causa para 'gerar o caos'

Reforço na segurança: Monique diz que foi ameaçada de morte na cadeia

Em seu despacho, a magistrada argumenta que “o que pretende a defesa do réu Jairo com a reabertura da instrução processual, não apenas surge desnecessário diante dos extensos esclarecimentos prestados na última audiência, aí incluídas as várias hipóteses levantadas pelo assistente indicado pela mesma defesa, como também se presta a desvirtuar o propósito da produção da prova da materialidade, contra a qual se insurge a defesa (…)”

Na mesma decisão, Elizabeth Machado Louro também indefere os pedidos para prestarem depoimentos os médicos Antônio Mendes Birasoli Júnior e Gabriela Graça e ainda dois técnicos de necropsia. Enquanto o primeiro, radiologista, foi o responsável por realizar um raio-x no corpo de Henry naquela madrugada, a segunda, legista, participou da elaboração de laudos periciais no inquérito da Polícia Civil que concluiu pelo indiciamento do casal pelos crimes. Os demais teriam auxiliado o perito Leonardo Huber Tauil, que atestou que o menino sofreu hemorragia interna e laceração hepática, provocada por ação contundente.

Segurança contestada: Jairinho pede anulação de provas obtidas por software israelense que recuperou mensagens de celulares

Ameaça, sexismo, campanha de ódio: confira os principais pontos da decisão da juíza que soltou Monique, mãe de Henry

Caso Henry: Veja o que Jairinho e Monique Medeiros disseram durante interrogatório

Na sessão, Claudio Dalledone e Flávia Fróes argumentaram, após a apresentação de um novo raio-x realizado em Henry que atestaria, segundo eles, um pneumotórax bilateral, que outro depoimento das médicas tornou-se “imprescindível”. Os advogados alegaram que Leonardo Huber Tauil, que respondeu a questionamentos no plenário durante mais de quatro horas, disse estar impossibilitado de “prestar quaisquer esclarecimentos sobre o laudo radiológico em questão”.

Na última segunda-feira, a defesa de Jairinho protocolou nova petição no processo reafirmando a necessidade das “reinquirições de testemunhas pelo surgimento de fatos novos”. No documento, os advogados ainda apontam “gritantes evidências de falsa perícia que pesam contra o legisla oficial” e citam supostas contradições e omissões apresentadas durante o depoimento do médico do Instituto Médico-Legal (IML).

Na próxima segunda-feira, Jairinho será interrogado, também no plenário do II Tribunal do Júri. Ele acompanhou a última audiência, através de videoconferência, do Presídio Pedrolino Werling de Oliveira, no Complexo de Gericinó, conhecido como Bangu 8, onde cumpre prisão preventiva. Já Monique foi solta, no início de abril, e está com monitoramento eletrônico.

Durante os depoimentos, houve discussões envolvendo advogados, promotores e até a juíza. Em uma das ocasiões, Elizabeth Machado Louro, após ser interpelada, prometeu que retiraria Claudio Dalledone do plenário caso ele a interrompesse novamente nas perguntas que estavam sendo feitas por ela ao perito. Em outra, o advogado de Jairinho e Cristiano Medina da Rocha, que representa o engenheiro Leniel Borel de Almeida, pai de Henry, precisaram ser separados por policiais militares que faziam a segurança do local.

No próximo dia 13, Jairinho será interrogado, também no plenário do II Tribunal do Júri. Ele acompanhou a audiência ontem, através de videoconferência, do Presídio Pedrolino Werling de Oliveira, no Complexo de Gericinó, conhecido como Bangu 8, onde cumpre prisão preventiva. Já Monique foi solta, no início de abril, e está com monitoramento eletrônico.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos