Caso Henry: Monique Medeiros é diagnosticada com Covid-19 e é isolada em hospital penitenciário

Rafael Nascimento de Souza
·1 minuto de leitura

RIO — A professora Monique Medeiros Costa e Silva de Almeida, de 32 anos, mãe do menino Henry Borel, de 4, foi diagnosticada com Covid-19 na tarde dessa segunda-feira, dia 19. O resultado veio após a pedagoga fazer um exame de PCR no Instituto Penal Ismael Sirieiro, em Niterói, na Região Metropolitana do Rio, onde estava presa desde o dia 8 de abril. Por conta disso, Monique foi transferida para Hospital Penitenciário Hamilton Agostinho, no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste do Rio, que confirmou a doença.

Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), por 14 dias, a professora será tratada em uma cela de isolamento da unidade médica. No último dia 12, Monique já havia dado entrada no Hospital Penitenciário Hamilton Agostinho. Na época, ela foi diagnosticada com uma infecção urinária.

– A Monique foi diagnosticada com a Covid após um exame de testagem. Imediatamente, ela foi transferida para o (Hospital Penitenciário) Hamilton Agostinho para receber o tratamento. Ela está isolada e está cumprindo o isolamento – disse o secretário da Seap, Raphael Montenegro. Não foram divulgadas informações sobre seu estado de saúde. A informação da contaminação da namorada do médico e vereador Jairo Souza Santos Júnior (sem partido), também preso, foi divulgada pela TV Globo e confirmada pelo EXTRA.

A Polícia Civil do Rio deverá concluir o inquérito da morte de Henry ainda nesta semana. A confirmação foi feita pelo delegado Antenor Lopes Martins Júnior à rádio CBN. Os investigadores já têm indícios suficientes para a conclusão do inquérito do caso, independente de um novo depoimento da professora.