Caso Henry: polícia ouve ex-namorada e amante de Jairinho pela segunda vez

Pedro Madeira
·1 minuto de leitura

A ex-namorada e amante do médico e vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (sem partido), a estudante Débora Mello, de 34 anos, é ouvida novamente na tarde desta sexta-feira por policiais na 16ª DP, da Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio. A depoente chegou pela lateral da unidade de polícia às 14h30m, sem falar com a imprensa.

Débora procurou a Polícia Civel nesta semana para acrescentar e corrigir informações ao primeiro depoimento prestado, quando omitou agressões cometidas pelo vereador.

Débora também revelou que o seu filho fora vítima de tortura, numa das quais, segundo ela, o vereador chegou a pôr papel e pano na boca do menino.

As declarações foram dadas no programa "Cidade Alerta", da Record, nesta quinta-feira, dia 15, e vão de encontro ao depoimento prestado pela moça, na 16a DP (Barra da Tijuca), no dia 22 de março.

"Eu não disse (na delegacia) que era agredida. Preferi não dizer para me proteger. Apesar de estar aliviada por ter falado eu sei que posso contribuir falando isso. Mas continuo sentido medo, não sei o que pode acontecer e o que ele pode fazer. Ele é influente, eu tenho medo. Eu não aguentava mais segurar isso, todo mundo falando, me procurando. Fiquei pensando, daqui a pouco vão falar que eu fui omissa, como estão falando da Monique. Eu nunca deixei de proteger meus filhos", contou, na entrevista.

A estudante, que começou a se relacionar com o político quando assessorava uma vereadora, afirmou ter sido agredida "várias vezes" ao longo dos anos em que ficaram juntos.