Caso Henry: vídeo traz últimas imagens do menino em parque de diversões com o pai horas antes de morrer

Paolla Serra
·1 minuto de leitura

Onze horas antes de dar entrada na emergência do Hospital Barra D’Or com múltiplas lesões no corpo, Henry Borel Medeiros, de 4 anos e 10 meses, demonstrava espontaneamente suas características mais marcantes. Alegre, brincalhão e carinhoso, o menino dança, ri e abraça a barriga do pai, o engenheiro Leniel Borel de Almeida, enquanto os dois são filmados pela câmera de segurança na saída de um parque de diversões na Barra da Tijuca.

O local era um dos preferidos da criança, que não teve tempo de completar o primeiro mês de aulas em uma escola católica do bairro. Nem de ser matriculado no curso de teatro escolhido pela mãe, a professora Monique Medeiros da Costa e Silva. Tampouco de fazer amizades no condomínio para o qual os dois se mudaram com o namorado de Monique, o médico e vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (Solidariedade), no fim do ano.

Alternando momentos de euforia e choros, muitas vezes seguidos de vômitos, Henry chegou a frequentar uma psicóloga por cinco sessões, desde o início de fevereiro. A ideia, para a mãe, era que a profissional acompanhasse o menino nessa “experiência nova” da família — depois de oito anos juntos, a professora e o engenheiro se separaram em julho. Ela também queria orientação sobre como fazê-lo dormir sozinho em seu quarto.

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES: ASSISTA AO VÍDEO E CONHEÇA A VIDA DE HENRY E OS MISTÉRIOS QUE RONDAM SUA MORTE